O Jogo ao Vivo

Televisão

Vilã ao jantar e inocente à sobremesa: "Tenho de mudar o chip", admite Isabela Valadeiro

Vilã ao jantar e inocente à sobremesa: "Tenho de mudar o chip", admite Isabela Valadeiro

Atriz da SIC é a terrível Rita à hora de jantar, mas, uma hora depois, é a inocente Telma. Aos 24 anos, Isabela Valadeiro conversa com o JN sobre o que é a "densidade psicológica".

Atualmente, a atriz Isabela Valadeiro, 24 anos, pode ser vista nas noites da SIC em dose dupla, algo que nem todos os atores podem apresentar no currículo: à hora de jantar, em "Terra brava", ela é a obscura e terrível enfermeira "Rita" que tenta, por todos os meios, afastar Beatriz (Mariana Monteiro) de Diogo (João Catarré). Mas logo a seguir, em "Golpe de sorte", ela dá a vida à colorida e extravagante "Telma", namorada de "Vitinho" (José Carlos Pereira). Dois registos difíceis de equilibrar, como confessa Isabela Valadeiro em conversa com o JN.

"A Telma é maravilhosa! Ela é cheia de vida e entusiasmo e é sempre bom viver uma personagem assim. Ela continua genuína e agora tornou-se mais responsável ao assumir-se como braço-direito da mãe. Mas não perde o dinamismo, gosta de ir às compras, de extravagância, de cor, de vivacidade, e é isso que ela traz nesta temporada", caracteriza a atriz.

Antes, os telespetadores nunca sabem o que esperar de "Rita" que, na semana passada, tentou que Beatriz abortasse da filha de Diogo. "Há uma grande densidade na minha personagem em "Terra brava". É um grande desafio e uma mudança de chip. Tenho de limpar tudo na minha cabeça. Mesmo! Foi incrível! Sou muito grata por todas as personagens que me foram dadas, porque não há nenhuma que considere igual à outra. Foi denso emocionalmente, porque nunca sabemos como é que a nossa história acaba. Esta minha Rita começava muito bem e pensei que ela era fixe e séria. De repente, vira a boneca e eu "oi, e agora"? Ela não acalma, até porque a Isabela teve de sair para o "Golpe de sorte"", brinca a namorada do ator José Mata na vida real.

"Gosto de ver as duas no ecrã, porque é muito giro fazer coisas diametralmente opostas. A Telma é cheia de vida; a Rita é carregada e escura", assume.

Acima de tudo está a exigência. "Faria coisas de outra maneira, porque quanto mais experiente fico, mais o sentido de responsabilidade aumenta. Isto é bom porque estou a tentar evoluir a cada nova personagem", conclui Isabela Valadeiro.

Outras Notícias