Política

"Inadmissível" ausência de limite nos salários da EMPORDEF quando não há dinheiro para Estaleiros de Viana

"Inadmissível" ausência de limite nos salários da EMPORDEF quando não há dinheiro para Estaleiros de Viana

O BE considerou "inadmissível" que o Governo tenha incluído a EMPORDEF nas empresas sem limite para remunerações, quando ao mesmo tempo "diz que não tem dinheiro" para os Estaleiros de Viana do Castelo.

"Bem sabemos que o Governo, através do ministro da Defesa, se tem recusado a injectar três milhões de euros para que haja viabilidade naqueles Estaleiros e se garantam três anos de trabalho àqueles trabalhadores", afirmou na quinta-feira à agência Lusa a deputada bloquista Mariana Aiveca.

Para a bloquista, "numa altura em que os cortes são tão grandes é inadmissível" que os gestores da EMPORDEF sejam "excepcionados por este corte que o Governo determinou".

O Conselho de Ministros aprovou na quinta-feira a limitação das remunerações dos gestores públicos, que passam a ter como limite máximo o salário mensal do primeiro-ministro, com excepção da CGD, TAP, RTP, EMPORDEF e CTT.

A proposta aprovada "surge na sequência das alterações ao estatuto do gestor público que tinha sido aprovado em 18 de Janeiro através do decreto-lei 8 de 2012".

Estas alterações "visaram, entre outros, racionalizar e ajustar as remunerações e regalias dos gestores do sector empresarial do Estado às condições económicas do país e à situação das próprias empresas públicas", esclareceu o Governo.

As novas regras prevêem um regime especial para cinco empresas sujeitas à livre concorrência - CGD, Tap, RTP, EMPORDEF e CTT -, cujos gestores podem optar pela remuneração média que auferiram nos últimos três anos antes de entrarem em funções.

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG