Política

Aguiar-Branco afirma que resultados permitem encarar com confiança caminho trilhado

Aguiar-Branco afirma que resultados permitem encarar com confiança caminho trilhado

O ministro da Defesa, José Pedro Aguiar-Branco, considerou, esta segunda-feira, que o resultado obtido pela coligação PSD/CDS-PP nas eleições europeias, cerca de 27,7 por cento, atrás do PS, "permite encarar com confiança o caminho que vem sendo trilhado".

"Essa é uma conclusão absolutamente inequívoca. O PS ganhou e a Aliança Portugal ficou em segundo lugar. A minha leitura é que o resultado que foi alcançado permite encarar com confiança o caminho que vem sendo trilhado", afirmou, em declarações aos jornalistas à margem da XV reunião de ministros da Defesa da CPLP, no Forte de São Julião da Barra.

Segundo Aguiar-Branco, os resultados "não podem ser desgarrados" do contexto que as antecedeu, "três anos que nunca houve em democracia, a maior crise económica e financeira que o país teve que atravessar".

"Não se pode desgarrar da leitura do resultado eleitoral este período de três anos", afirmou, frisando que o resultado eleitoral "é um resultado que mostra que os sacrifícios fazem sentido no sentido em que se está a ultrapassar a crise".

O ministro da Defesa Nacional falava aos jornalistas após questionado sobre os resultados das eleições para o Parlamento Europeu, realizadas no domingo, ganhas pelo PS com 31,4% dos votos, segundo os números provisórios da Direção Geral da Administração Interna.

Os resultados indicam sete deputados (31,47%) para o PS, seis (27,71%) para a Aliança Portugal (PSD/CDS-PP), dois (12,67%) para a CDU (PCP-PEV), um (7,14%) para o Partido da Terra (MPT) e outro (4,56%) para a Bloco de Esquerda, faltando atribuir quatro dos 21 mandatos de Portugal no Parlamento Europeu, que dependem dos resultados no estrangeiro.

Para Aguiar-Branco, o facto de o PPE se manter como o maior grupo de deputados no Parlamento Europeu mostra que as opções europeias para enfrentar a crise financeira estão "a fazer o seu caminho de confiança".

"É um aspeto positivo, o resultado eleitoral do PPE mostra a confiança dos cidadãos europeus no resultado das políticas que têm sido seguidas pelo PPE na Europa", disse.

Em Portugal, acrescentou, "os resultados mostram o caminho da consolidação da confiança também".

O ministro considerou ainda que "é preocupante para o regime democrático" que dois terços dos eleitores tenham optado pela abstenção.

"À liberdade só se dá valor quando ela não existe. É como o direito ao voto, só se dá o devido valor quando ele não existe e nós devemos regar a democracia todos os dias", disse.

Para Aguiar-Branco, a elevada abstenção é "um fator de preocupação que se deve combater" para evitar "extremismos".

"Para a Europa tolerante, harmoniosa e que permita preservar a paz é fundamental que haja uma maior participação cívica dos cidadãos", defendeu.