Política

Candidato a liderança do PS desafia Seguro a apresentar moção de censura

Candidato a liderança do PS desafia Seguro a apresentar moção de censura

O candidato à liderança do PS, o militante socialista madeirense Aires Pedro, desafiou este domingo o secretário-geral do partido, António José Seguro, a apresentar uma moção de censura ao atual Governo.

"Na qualidade de candidato a secretário-geral do PS, desafio António José Seguro a apresentar imediatamente uma moção de censura ao atual Governo, a fim de ser consequente com as alternativas por si apresentadas, para bem do PS e de Portugal", diz Aires Pedro, numa nota enviada à agência Lusa.

O candidato considera que esta seria a atitude que o líder do partido devia tomar, "depois da apresentação, pelo PS, de cinco propostas para Portugal sair da crise económica e financeira em que se encontra, medidas louváveis mas pouco explícitas relativamente à sua execução, as quais foram pela direita liminarmente recusadas".

António José Seguro defendeu, na passada sexta-feira, na Assembleia da República, na abertura de um debate de urgência pedido pelo Partido Socialista (PS) sobre a "Alternativa para a saída da crise", um conjunto de cinco propostas que visavam "parar com a austeridade" e lançar programas de estabilização económica e apoio a desempregados, uma "estratégia realista" para diminuir a dívida e o défice e uma agenda para o crescimento.

Aires Pedro, considerado neste momento o único concorrente certo de António José Seguro, é um militante do PS madeirense, com o número 33.664, pela secção de Ponta do Sol (zona oeste da ilha Madeira), tem 40 anos, tendo apresentado 222 proponentes e a moção "Refundar o PS pelo futuro de Portugal".

A Comissão Nacional do PS aprovou a marcação das eleições diretas para o cargo de secretário-geral para 13 de abril, e a realização do XIX Congresso Nacional está marcado para os dias 26 a 28 do mesmo mês.

O atual secretário-geral PS, António José Seguro, recandidata-se à liderança do partido com a moção "Portugal tem futuro", que recebeu 7.120 assinaturas, informou este domingo a Comissão Organizadora do Congresso (COC).

Segundo a COC, o terceiro candidato à liderança do PS, o socialista lisboeta João Nogueira Santos, de 41 anos, apresentou-se apenas com 113 proponentes, mas o mínimo exigido são 200 proponentes.

Apesar de, entre as assinaturas que apresentou, se terem verificado "irregularidades insanáveis em 18 delas", a COC disse à Lusa que o candidato "pode", até à meia-noite de hoje, "proceder à entrega dos elementos em falta, que visem sanar as irregularidades", ou seja, o candidato pode ainda apresentar as restantes candidaturas, até fazer o número limite de 200 proponentes.