O Jogo ao Vivo

Política

Cavaco Silva já reuniu com líderes dos principais partidos

Cavaco Silva já reuniu com líderes dos principais partidos

O líder do CDS-PP, Paulo Portas, chegou ao Palácio de Belém cerca das 17.30 horas para uma audiência com o presidente da República, que já recebeu o secretário-geral do PS e o presidente do PSD, Passos Coelho.

O presidente da República, Cavaco Silva, informou que recebeu em audiências sucessivas os líderes do PS, PSD e CDS-PP para "conhecer a avaliação que os respetivos partidos fazem do processo negocial visando alcançar um compromisso de salvação nacional".

No comunicado de apenas um parágrafo, divulgado no site da Presidência, nada mais é dito sobre o processo de conversações em curso entre os três partidos com vista ao "compromisso de salvação nacional" pedido pelo presidente da República a 10 de julho.

PUB

O líder do CDS-PP chegou ao Palácio de Belém cerca das 17.30 horas, ainda Pedro Passos Coelho, que foi recebido na qualidade de líder do PSD, não tinha saído do Palácio, segundo os relatos dos repórteres televisivos no local.

O líder do PSD saiu do Palácio de Belém cerca de quinze minutos depois da entrada de Paulo Portas.

A oitava reunião tripartida decorreu no Largo do Rato, terminou cerca das 14 horas e o comunicado divulgado no final não faz qualquer referência a futuras reuniões nem ao andamento das conversações.

O secretário-geral do PS, António José Seguro, foi o primeiro a ser ouvido pelo presidente da República.

De acordo com uma cronologia publicada no "site" do Partido Socialista, António José Seguro foi recebido no Palácio de Belém às 15.40 horas e a audiência terminou uma hora e cinco minutos depois.

Fonte de Belém, contactada pela Lusa ao início da tarde, apenas disse que o presidente da República, Cavaco Silva, não tem agenda pública para esta sexta-feira, mas tem "trabalho de gabinete e pode receber personalidades".

Cavaco Silva regressou, à hora de almoço, de uma visita de dois dias às Ilhas Selvagens e, na quinta-feira, em declarações aos jornalistas disse que, quando regressasse a Lisboa, teria a "porta aberta" e desdramatizou o prazo de uma semana fixado pelos partidos para as conversações, que terminaria no domingo dizendo que a "pressa pode ser inimiga do bom".

"Se fosse mais um dia ou dois e conseguíssemos o bom então devíamos ficar satisfeitos na mesma", afirmou na quinta-feira, garantindo que irá aceitar a decisão dos partidos "qualquer que ela seja".

A oitava reunião entre PSD, PS e CDS-PP com vista ao 'compromisso de salvação nacional' pedido pelo Presidente da República, e que decorreu no Largo do Rato, terminou cerca das 14 horas e o comunicado não faz qualquer referência a futuras reuniões nem ao andamento das conversações.

"Realizou-se a oitava reunião do processo de diálogo interpartidário iniciado no dia 14 de julho de 2013, com vista a alcançar um compromisso de salvação nacional", refere apenas o comunicado final emitido hoje pelos três partidos.

A crise política arrasta-se há duas semanas, depois das demissões do ministro das Finanças, Vítor Gaspar, a 1 de julho, e do ministro dos Negócios Estrangeiros, Paulo Portas, no dia seguinte.

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, não aceitou a demissão de Portas - que justificou o pedido por ser contra a escolha de Maria Luís Albuquerque para substituir Gaspar - e a maioria PSD/CDS-PP apresentou ao Presidente da República e publicamente a 06 de julho um compromisso até ao final da legislatura, que passaria, nomeadamente, por uma remodelação com Paulo Portas a vice primeiro-ministro.

A 10 de julho, o Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, fez uma comunicação ao país onde não se referiu à solução que lhe foi proposta pela maioria e na qual propôs um 'compromisso de salvação nacional' entre PSD, PS e CDS, que inclui eleições a partir de junho de 2014.

Na sequência desta proposta, os três partidos iniciaram as conversações no passado domingo, tendo-se reunido diariamente (por vezes mais do que uma vez por dia) desde então.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG