O Jogo ao Vivo

Política

"É preciso começar a discutir aquilo que fica para além da 'troika'"

"É preciso começar a discutir aquilo que fica para além da 'troika'"

Marcelo Rebelo de Sousa alertou, esta sexta-feira, que é preciso "começar a discutir" o que fica "além da 'troika'" e que Portugal tem mais "problemas" do que os económicos e financeiros que "não estão a ser discutidos".

Em Guimarães, o professor e comentador político classificou também a greve geral de dia 14 como tendo tido uma "grande dimensão", mas com "menos dimensão" que greves anteriores.

Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda a ação da polícia no dia da greve frente ao parlamento como "serena, preparada e proporcionada" e que a violência verificada "prejudicou" quem convocou a manifestação.

"Devemos ter a noção que há problemas sociais que ultrapassam o mero económico e financeiro. Problemas políticos, culturais que se colocam na sociedade e que não são tão discutidos", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa.

A propósito da sexta avaliação da 'troika' a Portugal (que se encontra a decorrer), o professor deixou um alerta para o futuro. "Temos que olhar um bocado mais para o futuro. Temos estado a olhar para o futuro do dia seguinte ou da avaliação seguinte. Talvez não fosse pior começarmos a discutir aquilo que fica para além das avaliações da 'toika'", apontou.

Sobre a greve geral de dia 14, o analista político considerou que esta teve uma "grande dimensão", principalmente no sector público. Ainda assim, na "modesta opinião" do professor, "foi menos intensa do que outras greves gerais" nomeadamente greves convocadas "formalmente pela CTGP e pela UGT".

Ainda sobre os acontecimentos de dia 14, o ex-líder do PSD classificou os "episódios" de violência que ocorreram frente ao edifício do parlamento como "lamentáveis".

PUB

O comentador desejou ainda que estes episódios não se repitam, porque, disse, "o direito à greve e à manifestação não deve ser manchado" com atos de violência. "É prejudicial para aqueles que convocaram esta greve usando dos seus direitos", apontou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG