Desemprego

Europa atravessa "tragédia social", diz Miguel Relvas sobre desemprego

Europa atravessa "tragédia social", diz Miguel Relvas sobre desemprego

O ministro Miguel Relvas afirmou, esta segunda-feira, que a Europa atravessa uma "tragédia social" referindo-se aos números do desemprego e apontou esta questão como a "principal preocupação" do Governo salientando que são necessárias "políticas" para "ultrapassar" o problema.

Em Braga, à margem da assinatura do terceiro Protocolo de Colaboração com as Associações Juvenis e Desportivas ao abrigo do programa Impulso Jovem, o ministro dos Assuntos Parlamentares disse que "não é o Governo que vai dar estágio" e "criar" postos de trabalho.

No entanto, Miguel Relvas ressalvou que cabe ao Governo "disponibilizar meios" e "criar condições" para que jovens e empresas venham a ter "capacidade" para "tornar aquilo que hoje não é permanente num pleno emprego".

Segundo disse o governante, existe "uma tragédia na Europa, uma tragédia social que é o desemprego" apontando a obrigatoriedade de o combater. "Temos que ter políticas, temos que ser capazes de ultrapassar essa mesma realidade e isso não se faz com discursos, faz-se com atos".

Como exemplo, o ministro apontou o programa Impulso Jovem que, disse, prevê-se que atinja os "90 mil jovens".

"Portugal precisa que este programa tenha sucesso. São 344 milhões de euros para implementar esta iniciativa", disse, classificando a iniciativa como "atrativa" mas que precisa de ser "valorizada" que isso não cabe apenas ao Governo.

"Na mão do Governo está disponibilizar os meios, criar as condições e proporcionar os programas. Não é o Governo que vai dar estágios, que vai criar estes postos de trabalho não permanentes. É a sociedade", reiterou.

O objetivo é dotar os "jovens que entram agora em estágio para que possam vir a ter capacidade para tornar aquilo que hoje não é permanente num pleno emprego".

O referido protocolo permitirá às instituições co-signatárias a contratação de jovens qualificados nas condições previstas pela medida "Passaporte Emprego Associações e Federações Juvenis e Desportivas".

O acordo vincula as oito instituições a colaborarem na promoção de medidas que "contribuam para promover oportunidades de ingresso no mercado de trabalho para os jovens, oferecendo-lhes uma formação em contexto de trabalho numa entidade da economia social, contrariando a tendência de aumento do desemprego estrutural", de acordo com o texto do protocolo.

Os jovens desempregados, entre os 18 e os 30 anos, inscritos nos centros de Emprego há pelo menos quatro meses, poderão beneficiar deste programa, que proporciona experiências de trabalho e cria, através da realização de estágios, oportunidades de integração em associações e federações juvenis e desportivas proporcionando a estas "o acesso a mão-de-obra qualificada" e "permitindo um maior desenvolvimento deste setor tão importante para a economia portuguesa", ainda segundo o mesmo texto.

O Plano Estratégico de Iniciativas à Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME - IMPULSO JOVEM - foi aprovado em junho e dispõe de 344 milhões euros de financiamento comunitário (FSE e FEDER), oriundos da reprogramação do QREN, podendo vir a abranger um universo potencial de 90 mil jovens, de acordo com as projeções do Governo.