crise

Fazer de Sócrates o único responsável pela crise é "uma estupidez incrível"

Fazer de Sócrates o único responsável pela crise é "uma estupidez incrível"

O ex-presidente do PS António Almeida Santos afirmou, esta segunda-feira, que "já ninguém fala na crise em Portugal" e que José Sócrates se tornou no único responsável pela situação do país, o que considerou uma "estupidez incrível".

"Já não se fala na crise, já ninguém fala na crise. Não sei se já repararam nisso, mas na política portuguesa desapareceu a palavra crise. Quando se quer responsabilizar alguém responsabiliza-se uma pessoa só, José Sócrates. Isto é uma estupidez incrível, ele pode ter alguns defeitos, mas não é o responsável por tudo o que aconteceu, até porque fez um grande primeiro mandato e, no segundo mandato, teve a pouca sorte de tentar governar em minoria. Foi um erro que cometeu e apanhou a crise", afirmou Almeida Santos aos jornalistas, à margem da apresentação, em Lisboa, do livro e Manuel Alegre "Nada está escrito".

O histórico socialista fez estas declarações depois de lhe terem perguntado se concordava com o lamento de Manuel Alegre por ser a 'troika' da ajuda externa que, em boa parte, está a Governar Portugal.

Almeida Santos respondeu que "não é com alegria" que vê essa situação, mas considerou que "o problema" é o discurso que centra a responsabilidade pela crise no anterior primeiro-ministro, José Sócrates.

"Foi um grande primeiro-ministro no primeiro mandato e, no segundo, foi vítima da crise, como foi vítima a Espanha, a Grécia, a Irlanda. Portanto, Sócrates é o culpado de tudo o que acontece nesses países, pelo que se vê. Porque não há outro culpado do que se passa no nosso", acrescentou, com ironia.

"Custa-me muito ter de reconhecer que há uma resistência muito grande em analisar e tentar apurar as causas desta crise. Porque esta crise não é única, é uma sequência de crises, todas cíclicas, e uma mais grave que outra. Mas precisávamos neste momento de identificar as causas dessas crises cíclicas todas para as combatermos e para que a crise não se repita", sublinhou ainda.

Sobre Manuel Alegre, o ex-presidente PS disse ter uma "grande admiração, além de uma grande estima" pelo ex-candidato presidencial e concordar com ele no alerta para a situação que o mundo vive.

PUB

"O mundo está chocho, o mundo está tolo, o mundo está irresponsável. Não é só Portugal, não é só a Europa, o mundo todo ele", afirmou, acrescentando: "O mundo está muito errado. E está errado porque não quer fazer as transformações que são necessárias para voltarmos a ter alguma harmonia e alguma paz e alguma justiça. Eu espero que acabemos por acordar deste sono maluco e possamos voltar aos sonhos verdadeiros pelos quais vale a pena lutar".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG