Crise Financeira

Ferreira Leite diz que Governo enjeitou a taluda que lhe saiu com veto do TC

Ferreira Leite diz que Governo enjeitou a taluda que lhe saiu com veto do TC

A antiga líder do PSD Manuela Ferreira Leite considera que o Governo reagiu com dramatismo e teatralização ao chumbo de quatro normas do Orçamento ao recordar que o valor "cortado" é apenas 1% da despesa.

"Este valor que está em causa representa pouco mais de 1% de toda a despesa pública. Se lhe disserem em sua casa que precisa de reduzir a despesa em 1 %, pensa que vai desabar o mundo lá em sua casa? Qualquer um de nós é capaz de reduzir a despesa em 1%", frisou em entrevista à TVI24, quarta-feira á noite.

Por isso, continuou, o Executivo de Passos Coelho devia aproveitar a decisão do Tribunal Constitucional para mudar de rumo.

"Talvez ingenuamente, mas genuinamente, fiquei convicta de que tinha saído a sorte grande ao Governo, com o chumbo, porque retirava um pouco a pressão de mais 1300 milhões de euros nos cortes das despesas públicas e nas receitas que eram cobradas. Achei que isso era uma ajuda, que seria um bom pretexto" para mudar de rumo, salientou.

Manuela Ferreira Leite considerou também ser impossível fazer cortes de 4 mil milhões de euros na despesa pública e manifestou-se despreocupada com a situação, por ser irrealizável.

"Não estou preocupada, porque acho que não são exequíveis e não vão ser executados. Não vejo possibilidade, a menos que nós tivéssemos todos decidido fazer um haraquiri coletivo. Como acho que ninguém decidiu fazer um haraquiri coletivo, acho não acho possível fazer uma coisa dessas", afirmou.

A antiga ministra das Finanças disse ainda que se Portugal tiver de recorrer a um segundo resgate, não será por causa do chumbo do TC.

"Se houver necessidade de um segundo resgate é porque já havia essa necessidade, não é por causa disto agora", acrescentou ao destacar também que o pior que se pode fazer agora às pessoas é "assustá-las".

Como estratégia de futuro, Ferreira Leite defendeu uma concertação entre o leque dos principais partidos. "Os atores neste momento têm de se concertar, têm de se unir para fazer frente ao problema que é de interesse nacional. E o problema que é de interesse nacional é dizer: se continuamos neste caminho, estamos permanentemente a afundarmo-nos e não vale a pena fazer este discurso de fora (...) é uma frente unida de todos", disse.

Por outro lado, Manuela ferreira Leite sustentou ser necessário "cada um dar um bocado de si" e que todos devem "torcer um bocadinho o braço" e deixarem-se de "teimosias".