Política

Insatisfação com o Governo dá maioria absoluta à esquerda

Insatisfação com o Governo dá maioria absoluta à esquerda

A onda de descontentamento com o Governo que varreu o país nas últimas semanas tem agora uma expressão numérica clara. Se as eleições fossem hoje, o PSD não iria além dos 24%, segundo uma Sondagem da Universidade Católica elaborada para o JN.

No anterior barómetro realizado pelo Centro de Estudos e Sondagens de Opinião daquela universidade, em junho de 2012, o PSD contava com 36% dos votos do eleitorado.

Os inquéritos de setembro foram realizados dias 15, 16 e 17, já depois do anúncio das novas medidas de austeridade que tanta polémica têm levantado, concretizando a fissura entre o eleitorado e o partido do Governo, que caiu 12 pontos percentuais, para os 24%.

Recorde-se que o PSD ganhou as últimas eleições legislativas com 38,7%, votação que, somada aos 11,7% obtidos pelo CDS, lhes permitiu formar uma coligação com maioria absoluta. Nessas eleições, o PS só conseguiu 28,1% dos votos. Este barómetro de setembro indica que os socialistas conquistariam 31% dos eleitores.

Mas não foi o PS o que melhor capitalizou a descida do partido laranja. Apesar de passar para a frente nas sondagens, o partido liderado por António José Seguro caiu em relação a junho de 2012, na percentagem de votos, de 33% para 31%.

Os partidos mais à esquerda são os que mais aproveitaram a insatisfação do eleitorado com a condução governativa do país. A CDU subiu de 9% para 13% nos resultados eleitorais, e o Bloco de Esquerda cresce de 9% para 11%.

A subida dos partidos mais à esquerda conduz a outra conclusão: todos somados, os votos no PS, CDU e BE são suficentes para dar à Esquerda uma maioria absoluta.

PUB

O CDS, partido coligado com o PSD no Governo, obtém também uma ligeira subida, de 6% para 7%, embora não seja, segundo a informação enviada pela Universidade Católica, estatísticamente relevante.

Outro resultado digno de nota é a impressionante subida dos que votariam branco ou nulo. Não houve uma sondagem nos últimos anos com uma percentagem de brancos/nulos tão elevada: 11%, número que cresce dos 4% registados no barómetro de junho.

Ficha técnica

Esta sondagem foi realizada pelo Centro de Estudos e Sondagens de Opinião da Universidade Católica Portuguesa (CESOP) para a Antena 1, a RTP, o Jornal de Notícias e o Diário de Notícias nos dias 15, 16 e 17 de setembro de 2012. O universo alvo é composto pelos indivíduos com 18 ou mais anos recenseados eleitoralmente e residentes em Portugal Continental. Foram selecionadas aleatoriamente dezanove freguesias do país, tendo em conta a distribuição da população recenseada eleitoralmente por regiões NUT II (2001) e por freguesias com mais e menos de 3200 recenseados. A seleção aleatória das freguesias foi sistematicamente repetida até os resultados eleitorais das eleições legislativas de 2009 e 2011 nesse conjunto de freguesias, ponderado o número de inquéritos a realizar em cada uma, estivessem a menos de 1% do resultados nacionais dos cinco maiores partidos. Os domicílios em cada freguesia foram selecionados por caminho aleatório e foi inquirido em cada domicílio o mais recente aniversariante recenseado eleitoralmente na freguesia. Foram obtidos 1132 inquéritos válidos, sendo que 60% dos inquiridos eram do sexo feminino, 34% da região Norte, 22% do Centro, 29% de Lisboa e Vale do Tejo, 8% do Alentejo e 7% do Algarve. Todos os resultados obtidos foram depois ponderados de acordo com a distribuição de eleitores residentes no Continente por sexo, escalões etários, região e habitat na base dos dados do recenseamento eleitoral. A taxa de resposta foi de 40,1%*. A margem de erro máximo associado a uma amostra aleatória de 1132 inquiridos é de 2,9%, com um nível de confiança de 95%.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG