Política

Assis garante que não há "problema de liderança no interior do PS"

Assis garante que não há "problema de liderança no interior do PS"

O deputado socialista Francisco Assis, que já disputou a liderança com o atual secretário-geral, garantiu esta quarta-feira que não há um "problema de liderança no interior do PS" e disse existir "grande consenso" face a António José Seguro.

"Essa clarificação que se exigia está feita. Não subsiste nenhum problema de liderança no interior do PS. Foi possível ultrapassar esta aparente crise com que estávamos confrontados. Nesse sentido, o resultado final é muito favorável ao PS", afirmou, na Assembleia da República, referindo-se à longa reunião da véspera da Comissão Política do partido, que se prolongou esta madrugada por mais de seis horas.

Para Assis, "há um grande consenso em torno do propósito do atual líder do PS de aglutinar os mais diversos setores do partido", acrescentando que Seguro "mostrou vontade de alargar esse esforço de integração (de outras tendências) nos órgãos de direção do partido".

"António Costa não mudou de ideias. Disse uma coisa muito clara: 'se o secretário-geral der aqui garantias de que tem vontade clara de unir o partido, eu não serei candidato'. O secretário-geral reagiu muito bem a esse repto, dizendo: 'Eu sou um fator de unidade do partido'", contou Assis.

Sobre declarações de militantes socialistas, como Augusto Santos Silva, que pedem o aparecimento de candidaturas alternativas no próximo congresso do PS, o parlamentar socialista limitou-se a afirmar que os respeita, porque se trata de "apelos de militantes do PS, que exprimem livremente o seu ponto de vista".

"Se há quem entenda que se deve apresentar como candidato a secretário-geral do PS, então naturalmente deve fazê-lo. Sempre aconteceu na vida do PS", disse, sublinhando a necessidade de construção de uma "alternativa de poder séria, responsável e credível em Portugal, mas de forma a que o PS possa ganhar as próximas eleições autárquicas".

Na TSF, o ex-ministro de José Sócrates Augusto Santos Silva disse esperar que, mesmo que António Costa não avance, apareçam adversários a António José Seguro.

"Acho importante é que o Partido Socialista não desperdice o seu congresso. Tem de haver a expressão política da pluralidade do PS e tem de haver a expressão política das críticas que se vão fazendo, aqui e ali, à atual liderança (...) Espero que apareçam candidaturas e, acima de tudo, espero que apareçam ideias", defendeu.