OE2012

Governo revê em baixa previsão de crescimento económico

Governo revê em baixa previsão de crescimento económico

O ministro das Finanças afirmou, esta segunda-feira, que as projecções macroeconómicas foram revistas durante a última missão da 'troika', esperando agora uma queda de 1,6% do PIB este ano (em vez de 1,9%) e 3% em 2012 (em vez de 2,8%).

De acordo com Vítor Gaspar, que encerra, esta segunda-feira, no Parlamento, o período de audições dos ministros sobre a proposta de Orçamento do Estado para 2012, a última visita da 'troika', que deu parecer positivo à segunda avaliação do programa português, levou à incorporação do cenário macroeconómico incluído no orçamento e apresenta agora uma maior disparidade entre 2011 e 2012.

Assim, no orçamento para 2012 está prevista uma queda de 1,9% do Produto Interno Bruto (PIB) este ano e é agora revista para uma queda de 1,6%. No caso de 2012, a queda do PIB é revista de 2,8% para 3%.

"Face ao cenário macroeconómico do Orçamento do Estado para 2012, é esperado um melhor desempenho da actividade económica em 2011 mas é projectada uma recessão mais acentuada em 2012. Esta revisão reflecte por um lado a incorporação da informação entretanto divulgada pelo INE para o PIB do terceiro trimestre de 2011 que revela uma queda inferior à esperada e por outro lado um cenário externo para 2012 mais desfavorável que o previsto", disse o ministro das Finanças.

Vítor Gaspar explica que os ajustes no cenário indicam que a queda acumulada nos dois anos será no entanto semelhante ao já previsto, e assim que não espera impactos significativos sobre o orçamento.

"Não se identificam impactos significativos para o orçamento de 2012 desta revisão do cenário macro. Até porque sendo as revisões de sinal contrário, em alta em 2011, de -1,9% para -1,6% e em baixa para 2012, de -2,8% para -3%, o efeito líquido ao nível da actividade económica no final do período será insignificante", explicou.