Nacional

Ministro chega de motociclo e faz figura entre carros topo de gama

Ministro chega de motociclo e faz figura entre carros topo de gama

Pedro Mota Soares fez figura ao chegar ao Palácio da Ajuda para a tomada de posse como ministro do XIX Governo Constitucional. Entrou de motociclo, e foi notado entre os carros topo de gama. Sócrates, cumprindo o protocolo, chegou antes de Passos Coelho, cinco minutos apenas.

O novo Ministro das Finanças, Vítor Gaspar, foi o primeiro a chegar ao Palácio da Ajuda, para a tomada de posse do novo Governo, esta terça-feira, às 12 horas. Chegou acompanhado do novo secretário de Estado adjunto do primeiro-ministro, Carlos Moedas.

O corrupio de viaturas oficiais de grande cilindrada no Palácio da Ajuda, em Lisboa, ficou marcado por dois veículos, particulares: o de Bagão Félix, que conduziu o próprio carro, e do novo ministro da Segurança Social, Pedro Mota Soares, que não prescinde da "Vespa" e chegou apenas em duas rodas para a tomada de posse.

A saída, a "Vespa" de Pedro foi conduzida pelo colega de partido João Almeida. O novo ministro "achou mal" deixar o motorista do Estado pendurado, por isso optou por pedir ao amigo que levasse o motociclo para o Parlamento.

"Ele vai continuar a usar a mota no dia-a-dia. É isso que ficou combinado. Nas deslocações oficiais não será possível, mas vai continuar a deslocar-se para o Ministério" na Vespa, explicou João Almeida.

A mota estranhou o novo dono, que por acaso é um velho conhecido. "Foi eu que lha vendi", revelou João Almeida, quando questionado pelos jornalistas se estava habilitado a andar na Vespa, que tardou em pegar.

À chegada, o ministro do CDS voltou a repetir o pouco que se tem ouvido. "Vai ser preciso muito trabalho e empenho", disse Pedro Mota Soares, que se diz "preparado" para a tarefa, apesar da juventude dos 37 anos.

A mesma idade, o mesmo discurso, um rosto diferente, no Governo, mas já conhecido da Assembleia da República. Assunção Cristas, uma das duas mulheres do Executivo, também se disse capaz de assumir o super-ministério da Agricultura, Ordenamento do Território e Ambiente. "Claro que sim, senão não teria aceite o convite", disse à chegada ao palácio da Ajuda.

"Vai ser preciso muito empenho", acrescentou Assunção Cristas.

Cumprindo o protocolo, José Sócrates chegou ao Palácio da Ajuda às 11.40 horas, poucos minutos depois de Teixeira dos Santos, ex-ministro das Finanças, e antes de Passos Coelho, como estava combinado. Os primeiros ministros socialistas a chegar foram Vieira da Silva, Economia, e António Serrano, Agricultura.

Pedro Passos Coelho chegou às 11.45 horas, acompanhado pela esposa, e ao meio-dia em ponto, fez o juramento e assinou. "Eu abaixo- assinado declaro por minha honra que cumprirei com lealdade as funções que me são confiadas", disse o novo primeiro-ministro.

Seguiram-se os restantes membros do Executivo, que é o mais pequeno, 11 ministros, e mais jovem em 34 anos de democracia.

A cerimónia oficial, desde as primeiras palavras de Passos Coelho, às 12 horas em ponto, durou cerca de 40 minutos. Para a posteridade fica, ainda, um incidente com a caneta de Pedro Mota Soares, que fez o mesmo que a Vespa no fim da tomada de posse: não funcionou.

O ministro da Segurança Social lá teve de pegar na caneta que estava em cima da mesa para assinar o livro e ficar, oficialmente, habilitado para o cargo.