Sondagem legislativas

PS alcança o melhor resultado desde que saiu do Governo

PS alcança o melhor resultado desde que saiu do Governo

Se as eleições legislativas se realizassem hoje, o PS triunfaria, com uma vantagem de 6% sobre o PSD, de acordo com a sondagem realizada pela Universidade Católica para o JN, DN, RTP e Antena 1. Trata-se do melhor resultado do barómetro, beneficiando da descida dos social-democratas, desde que o partido foi apeado do poder.

Líder nas intenções de voto desde setembro de 2012, o PS regista de novo uma ligeira subida, face ao estudo de opinião de julho de 2013. Suficiente para surgir, pela primeira vez, em vantagem sobre a Direita, se somadas as percentagens atribuídas a social-democratas e centristas. Isto apesar de o CDS também melhorar a performance, escapando ao presumível efeito de penalização do Governo de que faz parte. De registar, à Esquerda, o facto de o PCP consolidar a sua vantagem sobre o Bloco, agora fixada em 5%.

A vitória dos socialistas não se traduz - longe disso - na atribuição do estatuto de alternativa. Com efeito, embora quase três quartos dos inquiridos avalie negativamente o Governo, só 23% admitem que algum dos partidos da Oposição poderia ter melhor desempenho.

No plano da popularidade das figuras políticas, de salientar o facto de todas melhorarem, em relação à sondagem anterior. Uma tendência que, no entanto, apenas dá verdadeiros frutos nos casos de Jerónimo de Sousa e Catarina Martins, os únicos avaliados com nota positiva por uma maior percentagem de inquiridos. Outro dado relevante: Cavaco Silva obtém pela quarta vez consecutiva nota média negativa.

Convidados a pronunciar-se sobre a saída da troika, a maioria dos participantes no estudo afirma preferir um novo programa de assistência financeira, em vez da chamada "saída limpa", diretamente para os mercados, sem qualquer apoio. É, ainda assim, patente a falta de informação sobre a matéria - 22% não tomam posição ou não respondem.

Quase metade dos inquiridos acredita que a austeridade ainda vai agravar-se mais, percentagem muito inferior à da última sondagem (62%). Sobe, por outro lado, a percentagem dos que consideram positivo o efeito das medidas até agora tomadas, o que revela um menor pessimismo dos portugueses.

Ficha técnica

Esta sondagem foi realizada pelo CESOP - Universidade Católica Portuguesa para a Antena 1, a RTP, o Jornal de Notícias e o Diário de Notícias nos dias 12, 13 e 14 de abril de 2014. O universo alvo é composto pelos indivíduos com 18 ou mais anos recenseados eleitoralmente e residentes em Portugal Continental. Foram selecionadas aleatoriamente dezanove freguesias do país, tendo em conta a distribuição da população recenseada eleitoralmente por regiões NUT II e por freguesias com mais e menos de 3200 recenseados. A seleção aleatória das freguesias foi sistematicamente repetida até que os resultados eleitorais das eleições legislativas de 2009 e 2011 nesse conjunto de freguesias (ponderado o número de inquéritos a realizar em cada uma) estivessem a menos de 1% dos resultados nacionais dos cinco maiores partidos. Os domicílios em cada freguesia foram selecionados por caminho aleatório e foi inquirido em cada domicílio o mais recente aniversariante recenseado eleitoralmente na freguesia. Foram obtidos 1117 inquéritos válidos, sendo que 59% dos inquiridos eram do sexo feminino, 31% da região Norte, 21% do Centro, 36% de Lisboa, 6% do Alentejo e 6% do Algarve. Todos os resultados obtidos foram depois ponderados de acordo com a distribuição de eleitores residentes no Continente por sexo, escalões etários, região e habitat na base dos dados do recenseamento eleitoral e do Censos 2011. A taxa de resposta foi de 67%*. A margem de erro máximo associado a uma amostra aleatória de 1117 inquiridos é de 2,9%, com um nível de confiança de 95%.

ver mais vídeos