O Jogo ao Vivo

Política

PS-Madeira diz que Jardim "traiu os madeirenses e faliu a Região"

PS-Madeira diz que Jardim "traiu os madeirenses e faliu a Região"

O líder do PS-M disse, esta terça-feira, que o presidente do Governo da Madeira devia demitir-se porque "já não tem a confiança do povo" e "traiu os madeirenses e faliu a Região" com o Plano de Ajustamento Económico e Financeiro.

"Se tivesse a confiança do povo, se tivesse sentido de Estado, demitia-se e íamos para eleições", defendeu Vítor Freitas, na Assembleia Legislativa, durante a discussão de uma moção de confiança do Governo Regional.

O líder do grupo parlamentar do PS-M, Carlos Pereira, classificou a moção de confiança do Governo Regional "um pirolito" face aos problemas que a Madeira atravessa ao nível económico e social.

Carlos Pereira disse ainda ser preciso "ter lata" para apresentar uma moção de confiança e aconselhou o presidente do executivo Alberto João Jardim a "sair pelos seus pés antes que outros o corram a pontapé".

O presidente do CDS/PP-M, José Manuel Rodrigues, disse, no debate da moção de confiança apresentada pelo Governo Regional à Assembleia Legislativa, que, se o documento fosse votado por voto secreto, "Alberto João Jardim esta tarde já não era presidente", porque, declarou, há deputados do PSD-M que já não acreditam nele.

O líder dos centristas madeirenses perguntou a Alberto João Jardim "se, caso fosse acusado pelo crime de prevaricação, se demitiria" ao que o governante respondeu de imediato: "Nem ponho essa hipótese".

"Acha mesmo que tem condições para continuar a governar a Madeira?", insistiu José Manuel Rodrigues. "É que o senhor pode resistir a uma decisão judicial mas não resistirá ao julgamento do povo", sustentou.

O líder do Grupo Parlamentar do PSD-M, Jaime Ramos, perguntou a Alberto João Jardim se ainda se lembrava "de quem fez um roubo de 600 milhões de euros à Madeira", numa alusão aos governos centrais do PS, liderados por José Sócrates, acusados de serem os autores do "descalabro" feito ao Centro Internacional de Negócios da Madeira" .

"Lembra-se de quem foi o autor da intervenção da 'troika' em Portugal?", perguntou ainda, numa alusão ao ex-ministro socialista das Finanças Teixeira dos Santos.

O deputado único do MPT-M, Roberto Vieira, depois de ter responsabilizado a governação de Alberto João Jardim pela crise económica e social na Região, desafiou a Mesa da Assembleia a colocar, por voto secreto, a votação da moção de confiança.

"Essa [votação por voto secreto] foi a que os senhores inventaram para hoje", retorquiu o presidente do Governo Regional, em vésperas de ser confrontado com moções de censura do PTP-M e do PS-M.

Os deputados da Assembleia Legislativa da Madeira votam hoje uma moção de confiança apresentada pelo executivo regional, a primeira iniciativa suscitada para confirmar a "total confiança" do parlamento no executivo chefiado por Alberto João Jardim em mais de 30 anos de governação.

Até agora esta figura regimental só foi utilizada para legitimar os sucessivos programas do Governo Regional, sendo a primeira apresentada por Jardim com o objetivo de reforçar o "rumo que traçou" para a Madeira, antecedendo outras duas de censura da autoria do PS e PTP, cuja discussão está agendada para dias 13 e 14.

A iniciativa surgiu depois das notícias veiculadas pela RTP que o Departamento Central de Investigação e Ação Penal estava "a preparar uma acusação contra a totalidade do Governo Regional da Madeira por prevaricação", na sequência do inquérito sobre a alegada ocultação de dívida pública.