Orçamento de Estado

PSD diz que Governo quis evitar prejudicar economia com impostos

PSD diz que Governo quis evitar prejudicar economia com impostos

O líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, garantiu, esta sexta-feira, que as alternativas apresentadas pelo Governo ao chumbo do Tribunal Constitucional aos cortes nas pensões pretendem "encerrar um ciclo" de aumento da carga fiscal que prejudica a economia.

"Quando somos forçados a ter uma carga fiscal tão elevada como temos, prejudicamos o funcionamento da economia e a capacidade de criar postos trabalho. Isso é um ciclo que queremos encerrar em Portugal e pressupõe termos a coragem de reformar o Estado, gastar menos, e garantir que, no futuro, não vamos precisar de novos programas, de novos esforços e novos sacrifícios tão elevados como os que fizemos nos últimos anos", observou o social-democrata, em declarações aos jornalistas na sede do partido no Porto.

Assegurando que o Governo não tem os pensionistas "como alvo", Luís Montenegro reagia assim ao anúncio de que o Governo vai alargar a base de incidência da Contribuição Extraordinária de Solidariedade e aumentar as contribuições dos beneficiários da ADSE, até aprovar uma "alteração duradoura" às pensões da Caixa Geral de Aposentações em pagamento.

"É um equívoco. Não temos nenhum problema [com os pensionistas]. Temos é uma obrigação: garantir a sustentabilidade dos sistemas de pensões e a forma como Estado funciona, para não cobrar tantos impostos nem às pessoas nem às empresas".

Para isso, diz o líder parlamentar do PSD, "só há um caminho", que passa por "reformar o Estado, para ele gastar menos".

"Isso afeta os prestadores de serviço público e afeta medidas que visam tornar sustentável um sistema de pensões que hoje não é sustentável ou caminha para a insustentabilidade", frisou.