Política

Jorge Sampaio recomenda prudência ao governo na reforma administrativa

Jorge Sampaio recomenda prudência ao governo na reforma administrativa

O antigo presidente da República Jorge Sampaio recomendou prudência ao governo quanto à reforma administrativa. Como o JN noticia, esta sexta-feira, o governo vai avançar com um novo modelo de racionalização administrativa do país que implicará, em muitos municípios, o encerramento de alguns serviços públicos e a eventual abertura de outros.

Jorge Sampaio considerou, em entrevista à Antena 1, ser necessário ouvir as pessoas e sublinhou que "nem todos os calendários têm de ser os da 'troika'", defendendo que o Interior do país "não pode ficar um deserto, sem nenhuma referência a quaisquer poderes".

Na mesma entrevista, o antigo presidente admitiu que o Estado de Direito tem muitas falhas, considerando que "mete água em muitos sítios e por todos os lados".

Segundo Jorge Sampaio, a Democracia precisa de projetos, alternativas, seriedade e medidas de anticorrupção, embora reconheça que a grande questão nacional é o emprego, porque "a Democracia diz pouco a quem está desempregado".

Relativamente ao desempenho do atual presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, o antigo Chefe de Estado recusou dar respostas concretas, mas destacou a importância de ser uma pessoa que arbitre e modere.

Jorge Sampaio sublinhou igualmente que não há nenhum governo em Portugal que goste da interferência de Belém. "Não vamos ser hipócritas", disse.

Jorge Sampaio aproveitou ainda a oportunidade para alertar que o abandono do Ensino Superior por parte dos jovens com dificuldades financeiras vai afetar o futuro do país, nomeadamente em termos de formação e qualificação dos portugueses, numa entrevista a próposito dos 50 anos da crise académica em Portugal.

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG