Política

Líder do PSD/Porto assegura que nenhuma distrital contestou Orçamento de Estado

Líder do PSD/Porto assegura que nenhuma distrital contestou Orçamento de Estado

O líder do PSD/Porto, Virgílio Macedo, disse, esta terça-feira, que nenhuma distrital pôs em causa o Orçamento durante a reunião com o primeiro-ministro e o ministro das Finanças, garantindo que "o PSD está completamente comprometido" com a política governamental.

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, e o ministro das Finanças, Vítor Gaspar, reuniram-se, esta terça-feira, com a comissão política nacional e com os presidentes das distritais do PSD para lhes apresentarem a proposta de Orçamento do Estado para 2013.

Em declarações à agência Lusa, o líder da distrital do PSD/Porto, Virgílio Macedo, garantiu que foi uma "reunião pacífica" e que "as distritais entenderam perfeitamente que o leque de escolha era nenhum", não havendo "outras opções".

"Não houve nenhuma distrital que pusesse em causa o Orçamento. O PSD está consciente das dificuldades mas completamente comprometido com esta política", garantiu.

Segundo o líder da distrital do PSD/Porto, houve uma "compreensão perfeita e uma tomada de consciência do imperativo nacional que é a aprovação do Orçamento do Estado para 2013".

Virgílio Macedo chamou ainda a atenção para os "timings da próxima avaliação da 'troika' que começa já em meados de novembro", considerando que "Portugal tem que dar sinais que está comprometido com o ajustamento".

"O Governo, se tivesse outras opções, era o primeiro a tomá-las mas esta é a única alternativa. Não há opções", enfatizou.

Para as 18 horas desta terça-feira, está marcada a habitual reunião da comissão política nacional do PSD.

O Governo entregou na segunda-feira na Assembleia da República a proposta de Orçamento do Estado de 2013, que prevê um aumento dos impostos, incluindo uma sobretaxa de 4% em sede de IRS.

O orçamento é votado na generalidade no final dos dois dias de debate, 30 e 31 de outubro.

A votação final está agendada para 27 de novembro no Parlamento.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG