Política

Louçã diz que previsão de subsídios em 2018 é "burla" política, económica e financeira

Louçã diz que previsão de subsídios em 2018 é "burla" política, económica e financeira

O coordenador do BE, Francisco Louçã, qualificou, esta terça-feira, de "enorme burla" política, económica e financeira que o Governo preveja a reposição total dos subsídios em 2018, quando não se pode fazer "seriamente" essa promessa para "sete anos depois".

"É uma enorme burla política e uma enorme burla económica e financeira porque ninguém pode saber o que acontece sete anos depois de terem sido tirados estes subsídios", afirmou Francisco Louçã aos jornalistas, após um encontro com a associação de estudantes da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.

O ministro das Finanças, Vítor Gaspar, afirmou hoje que a reposição dos subsídios de férias e de Natal começará a ser feita em 2015, a um ritmo de 25 por cento ao ano, sendo que, a este ritmo, apenas em 2018 estará reposta a totalidade do 13º e 14º meses.

"O Governo garante que no último ano antes das eleições do próximo mandato do próximo governo talvez devolva aos portugueses o que no dia 1 de abril de 2011 era um disparate o subsídio de Natal que nunca seria tiraria a ninguém", disse Louçã.

Por outro lado, para o líder do Bloco, "o Governo mostrou hoje que tem contas que não batem certo".

"Todos os dias estão a ser tomadas medidas de austeridade e todos os dias o Governo diz que não estão a ser tomadas novas medidas de austeridade. Esta semana vai ser votada a simplificação dos despedimentos e a redução do apoio aos desempregados, a semana passa a ministra do CDS [Assunção Cristas] anunciou uma nova taxa para ser paga pelos consumidores que fazem compras nas grandes superfícies", argumentou.

Louçã apontou que o "Governo anunciou que no próximo ano o Estado vai reduzir a conta do Estado, com aumento de impostos ou com corte de despesa, já sabemos onde, em mais de três mil milhões de euros".

"Não se pode ver onde é que isso pode acontecer, depois de tanto ataque aos salários, tanto aumento do preço dos transportes, do gás, da eletricidade, do aumento das taxas moderadoras, do aumento das propinas. O Governo provou hoje que tem contas que são contas de fantasia, para uma economia que vive cada vez pior, para um país que não consegue respirar", argumentou.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG