Política

Maiores partidos europeus querem criar sistema legal de imigração

Maiores partidos europeus querem criar sistema legal de imigração

Os candidatos dos três maiores partidos europeus, centro-direita, socialistas e liberais, à presidência da Comissão defenderam, esta quinta-feira, que o próximo executivo comunitário deve criar um sistema legal europeu de imigração, como possuem os Estados Unidos ou a Austrália.

"Precisamos de um sistema político e económico de imigração, a Austrália, os Estados Unidos e o Canadá têm um sistema e nós não, temos cada vez mais imigração ilegal porque não temos uma legislação própria, isso propicia o tráfico humano. Temos de ter um sistema único e justo, acordado entre os Estados-membros", afirmou o candidato liberal Guy Verhofstadt, que criticou a falta de apoio de Bruxelas a refugiados sírios, durante um debate com os cinco candidatos, que decorreu no Parlamento Europeu.

Também Jean-Claude Juncker, do PPE, considerou necessária "uma lei europeia que permita melhorar a situação atual".

"Não podemos permitir que africanos e asiáticos continuem a morrer no Mediterrâneo, precisamos de os apoiar onde eles estão e acabar com os cortes no apoio humanitário", afirmou o antigo presidente do Eurogrupo e candidato a presidente da Comissão Europeia.

Martin Schulz, candidato pelos socialistas, disse apoiar igualmente a criação de "um sistema legal europeu de imigração", que abranja o "asilo a refugiados políticos": "Nesta questão os Estados-membros devem assumir a sua responsabilidade".

Por seu lado, o candidato da Esquerda Europeia, Alexis Tsipras, criticou o envolvimento da União Europeia em conflitos em várias zonas do globo, como a Líbia ou o Afeganistão, enquanto Ska Keller, a candidata dos Verdes, atacou o egoísmo dos Estados-membros no acolhimento de imigrantes.

"Deixamos pessoas a morrer no Mediterrâneo. A abordagem europeia tem sido inaceitável", considerou.

PUB

Numa outra parte do debate, Juncker, Schulz e Keller defenderam ainda um reforço da legislação contra a corrupção e para "enquadrar" o funcionamento dos grupos de pressão (lobbying).

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG