Política

"Metas rigorosas" impõem aumento de impostos contrário à ideologia do PSD

"Metas rigorosas" impõem aumento de impostos contrário à ideologia do PSD

O deputado social-democrata Duarte Pacheco defendeu esta segunda-feira que as "metas rigorosas" assumidas na última avaliação da 'troika' impõem o aumento de impostos incluído no Orçamento para 2013, que classificou de contrário à ideologia do PSD.

Em declarações aos jornalistas, na Assembleia da República, Duarte Pacheco afirmou que a missão do PSD é "apoiar o Governo na sua estratégia de voltar a dar soberania plena ao Estado português" e manifestou-se convicto de que todos os deputados da bancada social-democrata estarão "ao lado do Governo" na votação da proposta de Orçamento do Estado para 2013.

O deputado social-democrata considerou que "este é um Orçamento difícil para todos, para as famílias e as empresas", e apontou a obrigação de cumprir as metas assumidas pelo Estado português como a razão para o aumento de impostos incluído na proposta do Governo: "Para serem alcançadas, infelizmente, tem de ser com esta carga fiscal, que nos preocupa a todos, e que nem sequer corresponde às orientações ideológicas do PSD".

Segundo Duarte Pacheco, este aumento da carga fiscal tornou-se inevitável "a partir do momento em que o Estado português, na última avaliação [da 'troika'], se comprometeu a alcançar os 4,5%" de défice no próximo ano.

"Todos nós desejávamos que a carga fiscal não tivesse o peso que tem. Ponto final. Isso seria possível se, porventura, não tivéssemos metas tão rigorosas para alcançar e, portanto, se houvesse a possibilidade de o défice público para o próximo ano não ficar nos 4,5 %, mas ficar noutro valor", reforçou.

Duarte Pacheco argumentou que "os cortes na despesa, a terem impacto, para não ter este aumento de impostos, seriam nomeadamente ao nível de pessoal, com problemas sociais muito graves", e concluiu: "Esse peso e esse equilíbrio foi encontrado, e temos a proposta que temos em cima da mesa".

O Governo entregou hoje na Assembleia da República a proposta de Orçamento do Estado para 2013, que prevê um aumento de impostos, incluindo uma sobretaxa de 4 por cento em sede de IRS.

O Orçamento vai ser votado na generalidade no final de dois dias de debate, 30 e 31 de outubro.

A votação final global está agendada para 27 de novembro, no parlamento.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG