Política

Ministro acredita que militares respeitarão valores das Forças Armadas

Ministro acredita que militares respeitarão valores das Forças Armadas

O ministro da Defesa disse esta sexta-feira que os militares saberão sempre respeitar os valores que regem as Forças Armadas, na véspera da concentração de protesto marcada pelas associações socioprofissionais de militares, em Lisboa.

"Esses valores são referenciais nas forças armadas (...) bem precisos nos momentos que atravessamos e, por isso, eu sei que em qualquer circunstância no exercício dos direitos constitucionalmente consagrados, os militares saberão sempre ser respeitadores desses valores", afirmou Aguiar Branco, após uma visita ao Centro de Formação Militar e Técnico da Força Aérea (CFMTFA), na Ota, Alenquer.

Após um briefing de apresentação sobre o CFMTFA, o ministro afirmou que a situação atual que o país atravessa é também um "momento de teste" dos valores, salientando a importância do interesse nacional em detrimento das lógicas individualistas e da dedicação à causa nacional. Aguir Branco apelou para que a sociedade tenha mais sentido coletivo, comum e de família.

As associações socioprofissionais de militares marcaram para sábado uma concentração na Praça do Município, à qual se seguirá um desfile até aos Restauradores, decisão tomada num encontro nacional realizado em outubro.

A Associação de Oficiais das Forças Armadas (AOFA), a Associação Nacional de Sargentos (ANS) e a Associação de Praças (AP) foram ainda mandatadas, para solicitar ao Presidente da República, na qualidade de Chefe Supremo das Forças Armadas, a fiscalização preventiva do Orçamento do Estado para 2013.

"Porque somos cidadãos, queremos exercer a nossa cidadania e convocar todos os que aqui estão, e aqueles que entendam, para dizer publicamente o que entendemos sobre esta trágica situação em que colocaram o país", afirmou, na ocasião o presidente da AOFA, Pereira Cracel.

O coronel referiu ainda que é preciso, "no contexto de democracia", encontrar "mecanismos para influenciar e reverter o atual estado de coisas".

Outras Notícias