Impostos

Passos Coelho diz estar "trabalhar todos os dias para poder vir a baixar impostos"

Passos Coelho diz estar "trabalhar todos os dias para poder vir a baixar impostos"

O primeiro-ministro disse, esta quinta-feira, "trabalhar todos os dias para poder vir a baixar impostos" e apontou o combate à fraude e o alargamento da base fiscal como medidas importantes para gerar "uma despesa pública mais comportável".

As afirmações de Pedro Passos Coelho foram proferidas durante o debate quinzenal, depois da coordenadora bloquista, Catarina Martins, ter acusado o executivo de assentar a consolidação orçamental na recolha de impostos e perguntado sobre o que está a fazer para reduzir esse peso sobre os contribuintes.

"Todo o esforço está a ser feito sobre o IRS, há cobranças que aumentaram mais de 30% quando o país perdeu 200 mil postos de trabalho [em 2012], em média cada família paga 100 euros a mais de IRS e as contas continuam descontroladas", criticou Catarina Martins.

A líder do BE condenou ainda "a alegria da maioria" com os números da execução orçamental, defendendo que as contas do Governo "nunca batem certo" e que as previsões "vão sendo alteradas" para se "poder dizer que se está a cumprir as metas".

Pedro Passos Coelho respondeu não ter "nenhuma alegria" e disse limitar-se "a constatar os resultados", que "permitem antecipar que se cumprirão as metas deste ano para o défice".

O primeiro-ministro reiterou no entanto que "há riscos" e que é preciso "redobrar a atenção".

"Estamos a trabalhar todos os dias para poder vir a baixar os impostos no futuro, na medida em que estamos a combater a evasão e fraude fiscais, a alargar a base fiscal, e estamos em bom caminho para poder perspetivar uma despesa pública mais comportável para os contribuintes no futuro, de modo a que a reforma do Estado não se reduza a programas de corte na despesa, mas tenha uma componente de qualificação da administração sem que isso implique mais impostos", afirmou Passos.