Política

Passos Coelho diz que acusações a Relvas são "lamentáveis e totalmente infundadas"

Passos Coelho diz que acusações a Relvas são "lamentáveis e totalmente infundadas"

O gabinete do primeiro-ministro considerou, esta segunda-feira, "lamentáveis e totalmente infundadas" as suspeitas levantadas pelo PS em relação ao envolvimento do ministro Miguel Relvas no processo de privatização da TAP, lamentando ainda o comportamento "populista" dos socialistas nesta matéria.

"Os membros do Governo não mantêm qualquer tipo de relacionamento privilegiado ou outro, a título individual, com as entidades envolvidas naqueles processos, que são objeto de escrutínio rigoroso e de decisão colegial em sede própria, ou seja, em Conselho de Ministros. É precisamente nesse quadro que o Governo procede à avaliação de todas e cada uma das propostas, pautando sempre as suas decisões por critérios de escrupulosa observância da legalidade e do interesse nacional", lê-se num comunicado do gabinete do primeiro-ministro enviado à Lusa.

De acordo com o gabinete de Pedro Passos Coelho, "as acusações lançadas pelo deputado Rui Paulo Figueiredo são lamentáveis e totalmente infundadas, tendo sido já refutadas sem deixar margem para dúvidas pelo ministro adjunto e dos Assuntos Parlamentares em resposta às questões que lhe foram colocadas pelo jornal Público".

Rui Paulo Figueiredo desafiou, esta segunda-feira, o primeiro-ministro a "esclarecer todas as ligações do seu ministro-adjunto e dos Assuntos Parlamentares, Miguel Relvas, à privatização da TAP, assim como todas as questões relacionadas com o processo".

Todos os dias "as notícias que vêm a público reforçam a confirmação de falta de transparência no processo e conhece-se a promiscuidade político-partidária existente", disse o deputado, numa referência à notícia publicada, esta segunda-feira, pelo Público, que dá conta de um alegado envolvimento de Miguel Relvas e do ex-chefe da Casa Civil de Lula da Silva, José Dirceu - condenado a mais de dez anos de prisão no caso "Mensalão" - no processo de privatização da TAP.

"O Governo deplora assim que o Partido Socialista adote com insistência, numa matéria tão sensível, um comportamento mais próprio de práticas de índole populista e desprovidas de sentido de Estado", lê-se no comunicado divulgado pelo gabinete de Passos Coelho, que, "a propósito", sublinha que o PS "se encontra comprometido com o processo de privatizações, tendo identificado as empresas - entre as quais a TAP - que foram incluídas neste exercício no âmbito do Memorando de Entendimento assinado com a 'troika' em maio de 2011, e que agora pretende pôr em causa".

O gabinete do primeiro-ministro acrescenta ainda que "é público que os processos de privatização até aqui completados, bem como aqueles que se encontram em curso, têm vindo a ser levados a cabo com total rigor e transparência, como de resto é objeto de reconhecimento nos planos interno e internacional".