Política

Passos Coelho não afasta aumento de impostos

Passos Coelho não afasta aumento de impostos

A única garantia que o primeiro-ministro deixou, esta quinta-feira, na entrevista à RTP, é que a meta da redução do défice para menos de 3% no próximo ano é para cumprir e não afasta que tenha que recorrer a um aumento de impostos.

"Para nós é ponto de honra ter menos de 3% de défice em 2015 porque isso significa deixar o procedimento de défice excessivo, ganhar ainda mais confiança externa e lutar por taxas de juro mais baixas!, disse, mostrando-se "convencido" das previsões com que o Governo está a trabalhar, apesar das dúvidas da Comissão Europeia, mas não afastando a hipótese de aumento de impostos.

"São sempre as duas possibilidades que existem. Nunca há outras", respondeu, quando confrontado com declarações anteriores de que não são possíveis mais cortes na despesa. O primeiro-ministro reconheceu que "Portugal tem uma carga fiscal muito elevada" e insistiu que "para reduzir os impostos sem défice, temos que reduzir a despesa. Não há milagres".

Passos justificou a frase que disse há dias de que "os políticos não são todos iguais", garantindo que não se dirigia ao ex-primeiro-ministro, José Sócrates. "Passámos por um caminho que exigiu uma determinação e um sentido estratégico absoluto. Quis marcar essa diferença porque essa diferença foi determinante para que o país pudesse fechar o programa de assistência financeira. O que se passou no país não foi obra do acaso", insistiu.

Apesar de não ser um optimista, Passos mostra-se confiante: "Não vejo nenhuma razão para não reconhecer que Portugal tem sido bem sucedido neste esforço. O que temos à nossa frente não se compara com o que deixámos para trás", disse, garantindo que se baterá para renovar o mandato à frente do Governo e recusando dizer se deixa a liderança do PSD se perder as eleições.

Outro assunto tabu foi se haverá renovação da coligação com o CDS-PP, remetendo essa decisão para mais tarde. A única coisa que disse foi que o Governo é "coeso", que se habituou a trabalhar em conjunto e que "isso cria um cimento"" Passos deixou também recados ao PS: "Espero não tenhamos de esperar pelas eleições para poder dialogar".

O primeiro-ministro defendeu a decisão do Governo de não interfir no negócio da PT, por se tratar de uma empresa privada, e garantiu que a solução encontrada para o BES foi "a única que restava". Admitiu, contudo, que se a venda do Novo Baco ficar muito aquém do esperado, isso pode vir a ter consequências na Caixa Geral de Depósitos, obrigando o Estado a fazer alguma recapitalização do banco público, mas insistiu que será o sistema financiero a custear a operação.

Disse que o governador do Banco de Portugal foi "um homem extremamente corajoso" por ter decidido impor regras aos donos do banco e deixou um recado à comissão parlamentar de inquérito: "o que aconteceu no BES não foi resultado de má supervisão. É o resultado de má gestão. Espero que nenhuma comissão inverta esta situação", disse.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG