Política

Passos Coelho promete apresentar reforma do Estado "dentro de muito pouco tempo"

Passos Coelho promete apresentar reforma do Estado "dentro de muito pouco tempo"

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, garantiu esta segunda-feira, em Évora, que "o guião para a reforma do Estado" será apresentado ao país "dentro de muito pouco tempo", depois de aprovado numa próxima reunião do Conselho de Ministros.

O guião "voltará a Conselho de Ministros oportunamente e será divulgado ao país quando for aprovado. Não estamos, portanto, em fase de avançar ideias ou aspetos relacionados com esse documento, que será comunicado ao país na altura própria e dentro de muito pouco tempo", afirmou Passos Coelho.

Hoje, em Évora, o chefe do Governo adiantou aos jornalistas que no Conselho de Ministros de sábado, em Alcobaça, o ministro do Estado e dos Negócios Estrangeiros, Paulo Portas, apresentou "o primeiro "draft`" (rascunho) do guião, "mas não foi fixada uma data precisa" para que, num próximo Conselho de Ministros, o documento seja aprovado.

"Será tão breve quanto possível. Evidentemente, que não o iremos apresentar ao país em agosto e, portanto, espero num próximo Conselho de Ministros estar em condições de poder aprovar esse documento", disse.

O documento, segundo Passos Coelho, aponta para uma reforma de toda a área do Estado até 2020, mas tem "marcos objetivos até ao final do mandato deste governo, que é em 2015".

"Significa, portanto, que uma parte importante da reforma do Estado já começou no início do mandato do Governo, mas vai ser agora aprofundada até ao final da legislatura, embora não vá ficar concluída" até 2015.

Ainda sobre a mesma matéria, o chefe do executivo realçou que "os próximos dois anos são importantes para modernizar o Estado, para reduzir o seu peso em termos financeiros, porque só assim teremos a possibilidade, no futuro, de baixar os impostos", entre outras medidas.

O chefe do executivo falava os jornalistas, Évora, no final de uma visita às duas fábricas da construtora aeronáutica brasileira Embraer, acompanhado pelo ministro da Economia, Álvaro Santos Pereira.