Política

Passos Coelho reitera troca de cortes nos subsídios por novas medidas

Passos Coelho reitera troca de cortes nos subsídios por novas medidas

O primeiro-ministro prometeu, esta quarta-feira, que o Governo vai procurar substituir os cortes nos subsídios de férias e de Natal por medidas que penalizem o menos possível os portugueses e minimizará o seu impacto na economia.

Na abertura do debate sobre "o estado da Nação", na Assembleia da República, Pedro Passos Coelho reiterou que o Governo vai substituir estes cortes, declarados inconstitucionais, por "medidas que sirvam o mesmo objetivo orçamental e que cumpram os requisitos determinados pelo Tribunal Constitucional", no Orçamento do Estado para 2013.

"Além disso, tudo faremos para que sejam o menos penalizadoras para os portugueses quanto possível e minimizaremos o impacto geral sobre a economia que elas possam ter", acrescentou o primeiro-ministro.

Antes, Passos Coelho afirmou que o Governo PSD/CDS-PP vai "propor um Orçamento de Estado para 2013 que respeite sem ambiguidades a letra e o espírito da decisão do Tribunal Constitucional", que declarou inconstitucionais os cortes nos subsídios de férias e de Natal dos trabalhadores do setor público e dos pensionistas por violação do princípio da igualdade.

O Governo vai apresentar, portanto, "um Orçamento que efetue a conciliação entre, por um lado, o princípio da equidade, tal como este foi definido no acórdão, e, por outro, o cumprimento cabal do Programa de Assistência Económica e Financeira, cuja importância, de resto, o Tribunal Constitucional bem sublinhou", completou.

O primeiro-ministro fez questão de referir que, no entendimento do Governo, as soluções declaradas inconstitucionais pelo Tribunal Constitucional, "que tinham sido propostas para o período de vigência do Programa de Assistência, atendiam mais adequadamente a todos os equilíbrios que é preciso ter em conta quando se aborda este problema" nas circunstâncias em que Portugal se encontra.

"No entanto, se é inegável que a decisão do Tribunal Constitucional levanta dificuldades que temos de superar para alcançarmos as nossas metas orçamentais em 2013, também não faremos dela um pretexto para desistir ou para fracassar", acrescentou.

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG