Política

Passos diz que "acertos" não poderiam afetar compromissos com "troika"

Passos diz que "acertos" não poderiam afetar compromissos com "troika"

O primeiro-ministro afirmou esta segunda-feira que os "acertos" realizados ao Orçamento do Estado na Assembleia da República não afetam "o essencial" dos compromissos assumidos na quinta avaliação da 'troika', que teria de autorizar uma alteração substancial.

"Não seria possível mexer em aspetos relevantes desse acordo sem que os parceiros da 'troika' pudessem autorizar", afirmou o chefe de Governo, Pedro Passos Coelho, durante uma conferência de Imprensa com o Presidente do Peru, na residência oficial do primeiro-ministro, em São Bento.

O primeiro-ministro foi questionado sobre a possibilidade de uma diminuição superior aos 0,5% estabelecidos na proposta de alteração ao Orçamento da maioria parlamentar PSD/CDS-PP, baixando de 4% para 3,5% essa sobretaxa.

"Os acertos que serão com certeza realizados em sede parlamentar face à proposta inicial do Governo são acertos que revelam interação com o Parlamento, a possibilidade de acolher algumas propostas que foram formuladas e que não afetam o essencial dos compromissos que já tínhamos assumido",declarou.

Para Passos Coelho, seria "profundamente problemático" que Portugal colocasse em causa "o essencial dessa programação" com a 'troika' na sequência da quinta avaliação, destacando que a diminuição conseguida teve "com certeza" propostas do lado da despesa que "terão compensado essa flexibilidade que o Governo demonstrou".