Salário Mínimo

Passos diz que aumentar salário mínimo seria "barreira" ao emprego

Passos diz que aumentar salário mínimo seria "barreira" ao emprego

O primeiro-ministro português, Pedro Passos Coelho, afirmou, esta quinta-feira, em Haia, Holanda, que aumentar o salário mínimo nacional no momento atual seria criar um "sobrecusto" para as empresas e uma "barreira" ao emprego em Portugal.

Pedro Passos Coelho, que falava numa conferência de imprensa no final de um encontro com o seu homólogo holandês, Mark Rutte, esclareceu, em resposta aos jornalistas, as declarações que fez na quarta-feira, no parlamento, sobre o salário mínimo nacional.

"Eu afirmei ontem [quarta-feira], no parlamento, que um país que tem uma elevada taxa de desemprego não pode criar mais obstáculos à criação de emprego. Elevar, nesta altura, o salário mínimo nacional em Portugal seria criar um sobrecusto para as empresas e, portanto, criar mais uma barreira para o emprego", sustentou o primeiro-ministro.

Passos Coelho afirmou que "seria politicamente demagógico", nas atuais circunstâncias, comprometer-se com um aumento do salário mínimo, acrescentando que "criar mais barreiras no acesso ao emprego seria uma irresponsabilidade" que não poderia "suportar".

O primeiro-ministro disse ainda que, apesar de o Governo estar "disponível" para discutir o tema com os parceiros sociais, não considera que, "antes da inflexão marcada pelo ressurgimento da economia, faça sentido estar a aumentar o salário mínimo nacional".

Na quarta-feira, durante o debate quinzenal, o primeiro-ministro afirmou que, quando um país enfrenta um nível elevado de desemprego, "a medida mais sensata que se pode tomar é exatamente a oposta" ao aumento da remuneração mínima e destacou que foi isso que a Irlanda fez, ou seja, baixar o salário mínimo nacional.

Hoje, Pedro Passos Coelho reconheceu que o salário mínimo nacional em Portugal, atualmente de 485 euros por mês, é "relativamente baixo" quando comparado com outros países europeus.

PUB

"Essa foi a razão, como eu recordei no parlamento, pela qual decidimos não baixar o salário mínimo nacional. Outros países fizeram isso, a Irlanda fez isso, por exemplo, mas o salário mínimo na Irlanda é mais do dobro do que em Portugal", argumentou o primeiro-ministro.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG