O Jogo ao Vivo

Crise Financeira

Passos espera PS mais amadurecido e garante que Governo está a cumprir

Passos espera PS mais amadurecido e garante que Governo está a cumprir

Pedro Passos Coelho afirmou, em Castelo de Vide, que espera discutir o Orçamento de 2013 com "uma Oposição mais amadurecida e responsável". E alertou para as "pesadas consequências" se houver um desvio dos objetivos que estão a ser realizados. Apesar do "comportamento adverso" da receita fiscal, garante que o Governo está a cumprir.

No encerramento da Universidade de Verão em Castelo de Vide, o líder do PSD e primeiro-ministro destacou que, aquando do debate do Orçamento há pouco menos de um ano, "não foi prudência que ouvimos da Oposição". Mas "uma infantil recusa da realidade".

Passos Coelho prometeu levar o programa até ao fim e "concluí-lo tão rápido quanto possível".

No que se refere a receitas fiscais, em particular as relacionadas com o IVA, Passos sublinhou que estas têm tido um comportamento adverso que suscita dificuldades maiores para atingir a meta orçamental. Mas argumenta que "o défice está a cair e cai, sobretudo, por causa da despesa e não por causa da receita, o que não deixa margem para duvidar que o Governo está a cumprir o seu compromisso de cortar a despesa do Estado e consolidar as finanças públicas".

"Estou certo de que este processo de aprendizagem resultará certamente numa Oposição mais amadurecida e responsável, aquela com que discutiremos o orçamento para 2013", atirou Passos Coelho.

"Hesitações, titubeações, temores e inseguranças em cada momento de incerteza são a receita mais certa para o fracasso", avisou ainda.

Segundo Passos Coelho, hoje atravessamos "um período muito difícil", um "periodo de emergência". Neste âmbito, dirigiu críticas aos opositores.

PUB

"Muitos, alguns compreensivelmente alarmados pelas proporções da emergência, outros apenas com as reservas ideológicas próprias de quem não se reconciliou com a história, duvidam da nossa capacidade para ultrapassar a emergência e realizar as nossas ambições", acusou.

E prosseguiu nas críticas afirmando que "satisfazem-se com o que já houve, como se fosse possível ou desejável regressar à década da estagnação". E "essa ambição, que é sobretudo de resignação e uma desistência, nós não temos", assegurou o líder do PSD.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG