Política

PCP diz que incidentes junto ao Parlamento deram "um jeitão" ao Governo

PCP diz que incidentes junto ao Parlamento deram "um jeitão" ao Governo

O secretário-geral do PCP considerou, este sábdo, que os incidentes junto ao Parlamento, na passada quarta-feira, deram "um jeitão" ao Governo, à classe dominante e à "comunicação social dominante" perante "uma das maiores" greves gerais de sempre.

Jerónimo de Sousa falava no encerramento de um comício da Juventude Comunista Português (JCP), na Voz do Operário, em Lisboa.

"Ao Governo, à classe dominante e à comunicação social deram um jeitão os incidentes em frente à Assembleia da República", sustentou o líder dos comunistas, numa referência aos episódios de violência entre manifestantes e políticas já depois de ter terminado a manifestação convocada pela CGTP-IN.

Segundo Jerónimo de Sousa, "a questão não está tanto em condenar ou não, não está em caracterizar o que era revolta genuína e o que era provocação organizada".

"A questão está em ver o resultado desses incidentes que, objetivamente, serviram para tentar esconder, esbater, esse grande acontecimento social e político, esse marco na história da luta dos trabalhadores portugueses, a greve geral", disse o secretário-geral do PCP.

De acordo com Jerónimo de Sousa, a greve geral convocada pela CGTP-IN, na passada quarta-feira, "constituiu uma das maiores realizadas até hoje no país".

E deixou um conselho a todos os jovens, citando um "mestre" comunista: "Para a evolução da consciência política e social, vale mais a participação num dia num piquete do que um curso de seis meses".

No seu discurso, o secretário-geral do PCP manifestou apoio à ação de luta convocada pelos jovens comunistas para a próxima quinta-feira e afirmou que as políticas do Governo estão a promover "uma ofensiva contra os estudantes", cuja resposta tem de passar pela "luta".

Jerónimo de Sousa disse que há cada vez mais estudantes a abandonarem o Ensino Superior devido ao aumento dos custos e que se regista uma subida drástica do endividamento dos estudantes em relação à banca.

"Este Governo, com a sua política, estão a procurar minar o vosso futuro, o vosso direito ao trabalho, o vosso direito a constituir família", disse.

Antes do comício, a JCP promoveu ao longo do dia de hoje, também na Voz do Operário, conferências nacional sobre a situação nos ensinos Secundário e Superior, subordinadas ao lema "Na luta contra as troikas nem um passo atrás".

PMF // RJP