O Jogo ao Vivo

Resgate financeiro

Portugal deverá sair do programa de assistência em 2014 como previsto

Portugal deverá sair do programa de assistência em 2014 como previsto

Portugal deverá sair do programa de assistência financeira em 2014, tal como previsto, mas os "problemas" deverão continuar a existir, segundo um estudo apresentado, esta quinta-feira, em Bruxelas.

De acordo com o documento do grupo de reflexão "Bruegel", que avalia os programas de assistência financeira português, grego e irlandês, "parece provável" que Portugal saia do programa "no calendário previsto", ou seja, em 2014, o que seria um "sucesso" para o país e para a troika.

No entanto, os autores do estudo - André Sapir, Guntram Wolff e Jean Pisani-Ferry - afirmam que a saída do programa da troika (Comissão Europeia, Fundo Monetário Internacional e Banco Central Europeu) "não será o fim dos problemas de Portugal", uma vez que a "economia continuará frágil".

Durante a apresentação do estudo, o economista Guntram Wolff destacou o facto de os mercados estarem "relativamente otimistas" em relação a Portugal, mas disse que a "sustentabilidade económica e social" do programa de reformas "continua em dúvida".

Em Portugal, o "principal problema" é o facto de, até ao momento, o programa de assistência não ter sido "bem-sucedido" na promoção do investimento", lê-se no documento, de acordo com o qual, nesta matéria, o desempenho português "é muito pior do que o da Irlanda e apenas um pouco melhor do que o da Grécia".

Crescimento "dececionante tornou os objetivos do défice inatingíveis", dizem ainda os autores do estudo.

Por último, os autores documento afirmam que as reformas no mercado laboral português são "cruciais", defendendo a necessidade de alterações depois do fim do programa de ajustamento.

Outras Notícias