crise

Presidente da República recebido em Évora por ruidosa manifestação

Presidente da República recebido em Évora por ruidosa manifestação

O Presidente da República, Cavaco Silva, foi recebido, esta sexta-feira, em Évora, por uma ruidosa manifestação de cerca de 300 pessoas, concentradas perto das novas fábricas da construtora aeronáutica brasileira Embraer.

O Chefe de Estado inaugura e visita hoje de manhã as fábricas, numa deslocação à cidade alentejana poucas horas antes de, às 17 horas, já em Lisboa, presidir à reunião do Conselho de Estado.

Concentrados a poucas centenas de metros das unidades fabris, onde é visível um forte aparato policial, os manifestantes ostentam faixas, cartazes e bandeiras negras, gritando palavras de ordem, como "Cavaco escuta, o povo está em luta".

"FMI não manda aqui", "É preciso, é urgente, uma política diferente" e "Cavaco, Passos e Portas é tudo a mesma tropa" foram outras das frases entoadas pelos manifestantes.

A concentração foi convocada pela União dos Sindicatos do Distrito de Évora (USDE), afecta à central sindical CGTP.

Ana Cruz, uma das manifestantes, disse à agência Lusa ter participado na concentração para protestar contra as medidas do governo.

"Estou aqui também porque o Presidente da República é cúmplice deste governo", disse, lamentando que Cavaco Silva "não vete as medidas deste governo e promulgue todas as leis contra os trabalhadores".

"Se e Presidente é de todos os portugueses como diz, porque é que não veio falar com o povo. Gostava de lhe dizer para olhar para o povo e para acabar com as políticas vergonhosas do governo", afirmou Ana Cruz.

O coordenador da USDE, Valter Lóios, explicou à Lusa que o protesto é contra a "atual política que destrói o país".

Os participantes, sublinhou, quiseram aproveitar a presença de Cavaco Silva para exigir "um política alternativa, que ponha fim ao roubo que estão a fazer aos trabalhadores, nomeadamente nos salários e nos direitos".

Cavaco Silva está a efetuar uma visita restrita às instalações das duas fábricas, sem o acompanhamento de jornalistas.