Águas de Portugal

PS acusa Passos de intervir na justiça com nomeações para Águas de Portugal

PS acusa Passos de intervir na justiça com nomeações para Águas de Portugal

O PS exigiu, esta quarta-feira, ao primeiro-ministro explicações sobre recentes nomeações para empresas públicas, acusando mesmo Passos Coelho de "interferir" na justiça ao nomear o presidente da Câmara do Fundão, Manuel Frexes, para as Águas de Portugal. A autarquia está em tribunal com a empresa, por uma dívida de sete milhões de euros.

A posição foi transmitida aos jornalistas pelo vice-presidente da bancada socialista José Junqueiro, que adiantou que o PS tomará a iniciativa "inédita" de formalizar uma pergunta por escrito ao primeiro-ministro sobre critérios de nomeações.

"Em campanha eleitoral, Pedro Passos Coelho disse que não queria ser eleito [primeiro-ministro] para dar emprego aos amigos e que queria libertar o Estado dos poderes partidários. Neste contexto, o PS pergunta ao primeiro-ministro se está confortável com a avalanche de nomeações de amigos, de nomeações políticas e partidárias?", questionou José Junqueiro.

O dirigente da bancada socialista questionou também Pedro Passos Coelho se "está confortável com as nomeações que o Governo acaba de fazer de dois autarcas para as Águas de Portugal, um dos quais [o presidente da Câmara do Fundão, Manuel Frexes] se encontra em litígio com as Águas de Portugal por dívidas acumuladas de cerca de sete milhões de euros?".

"Pela primeira vez, o Grupo Parlamentar do PS vai requerer ao primeiro-ministro explicações sobre estas nomeações, sobre os critérios e sobre a incompatibilidade que o primeiro-ministro sanciona com a sua assinatura nestas nomeações", disse.

Na perspectiva de José Junqueiro, o primeiro-ministro, ao nomear para as Águas de Portugal "o autarca do Fundão, que se encontra em processo litigioso com a empresa, representa uma maneira de interferir com a justiça".

"O senhor primeiro-ministro não pode consentir neste ato. O PS exige-lhe que pare imediatamente esta avalanche de nomeações, que começaram na Caixa Geral de Depósitos, prosseguiram na EDP e estão agora nas Águas de Portugal", afirmou o vice-presidente da bancada do PS.

Interrogado se o PS teme que haja contaminação do processo judicial entre as Águas do Zêzere e a Câmara do Fundão, na sequência da nomeação de Manuel Frexes para a administração das Aguas de Portugal, José Junqueiro considerou "absolutamente incompatível que alguém que deve dinheiro a uma empresa, neste caso à holding Águas de Portugal, passe de devedor a administrador da empresa".

"Vamos fazer-lhe uma pergunta, institucionalmente, através da Assembleia da República, para o primeiro-ministro dar explicações sobre esta agência de empregos para os amigos", acrescentou.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG