Política

PS desconhece teor da declaração de Passos Coelho

PS desconhece teor da declaração de Passos Coelho

O secretário nacional do PS, Eurico Dias, afirmou que os socialistas desconhecem em absoluto o teor da declaração que o primeiro-ministro vai fazer esta sexta-feira ao país, mas esperam uma inversão de política.

Questionado pelos jornalistas, em conferência de imprensa, na sede nacional do PS, em Lisboa, Eurico Dias começou por afirmar que "o PS não conhece o teor, ou parte do teor, da intervenção do senhor primeiro-ministro " e, como o resto do país, "ouvirá, seguramente em primeira mão, as medidas que o primeiro-ministro irá apresentar aos portugueses".

A comunicação social pediu-lhe que esclarecesse se o PS conhece parte da declaração que o primeiro-ministro vai fazer esta sexta-feira às 19.20 horas, e Eurico Dias respondeu: "Não conhece no todo ou em parte. Espero ter sido claro. Nem o todo, nem a parte, nada".

O secretário nacional do PS acrescentou que é a expectativa dos socialistas "é sempre a de que seja possível fazer uma inversão de política: e essa inversão de política necessita de mais tempo e de medidas orientadas ao crescimento e ao emprego", defendendo que estão à vista os maus resultados da "austeridade custe o que custar".

"Chame-se ajustamento, flexibilização, ou chame-se outra coisa qualquer, aquilo de que estamos a falar sempre é de mais tempo, como o PS já defende desde novembro. Mais tempo para cumprir o memorando, para cumprir as metas, mas sem que os portugueses, e as empresas portuguesas em particular, padeçam uma austeridade que as está a matar, que as está a levar à insolvência", reforçou o ex-administrador da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP).

Por outro lado, interrogado sobre o estado da coligação PSD/CDS-PP, Eurico Dias respondeu que o PS vê o ambiente entre esses dois partidos "com grande preocupação", mas logo acrescentou que para os socialistas esse não é "o elemento central da política portuguesa hoje".

"Devemos centrar a nossa atenção no essencial. O essencial são 15,7% de desempregados, um défice orçamental que não sabemos de quanto será, e uma evolução do Produto Interno Bruto (PIB) profundamente negativa", defendeu.

PUB

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, e o secretário-geral do PS, António José Seguro, estiveram reunidos na quinta-feira da semana passada, em São Bento, durante cerca de uma hora e meia hora, não tendo sido divulgada a agenda desse encontro.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG