Política

PS exige esclarecimentos sobre relações entre governantes e empresas

PS exige esclarecimentos sobre relações entre governantes e empresas

O Partido Socialista exigiu esta quinta-feira ao Governo um esclarecimento dos "termos" em que eventualmente ocorreram ligações entre as secretas, empresas e membros do Executivo, garantindo que se isso não ocorrer chamará ao Parlamento os envolvidos.

"Obviamente que as investigações criminais têm o seu percurso, o seu caminho natural. Agora, há aqui questões de gravidade politica, com consequências politicas. E portanto é necessário esclarecer o envolvimento político neste processo e saber exatamente em que termos é que ocorreram, se ocorreram, ligações entre secretas, empresas e membros do atual Governo", afirmou a deputada do PS Isabel Oneto.

A deputada do PS, que fez uma declaração aos jornalistas esta quinta-feira no Parlamento sobre este assunto, disse que os socialistas esperam "que muito em breve venha esse esclarecimento sob pena" de o PS ter de "tomar decisões relativamente a essa matéria" no quadro da Assembleia da República, "nomeadamente convocando as pessoas para virem ao parlamento explicar o que é que se passa".

O jornal "Público" noticia esta quinta-feira que o ex-diretor Sistema de Informações Estratégicas e de Defesa (SIED) Jorge Silva Carvalho, "algum tempo depois das eleições legislativas de 2011", quando era já quadro da empresa Ongoing, "enviou, por correio eletrónico, ao ministro dos Assuntos Parlamentares, Miguel Relvas, um relatório detalhado com um plano para reformar os serviços de informação", propondo para diretores do SIS (Serviço de Informações de Segurança) e do SIED "funcionários da sua confiança e apontando ainda os nomes daqueles que não deveriam assumir cargos dirigentes".

Miguel Relvas, numa resposta ao escrita ao "Público", afirmou: "Sobre este caso em particular não tenho ideia de ter recebido qualquer informação particular, e disso não resultou qualquer interação da minha parte". O ministro nega também ter acompanhado "direta ou indiretamente as matérias sobre os serviços de informação".

Questionada sobre quem deveria prestar os esclarecimentos que o PS pede, Isabel Oneto respondeu que o primeiro-ministro é, "em último caso, o responsável pelo Governo e pelas secretas", mas considerou que "o senhor ministro Miguel Relvas devia poupar o senhor primeiro-ministro e vir a terreiro já explicar o que é que se passa".

"Estamos a falar de matéria muito sensível relativamente ao Estado. Estamos a falar de um serviço que tem informações relevantes para o Estado e que não pode estar permanentemente envolvido, nomeadamente através de ligações não institucionais no quadro legal que temos hoje, para reestruturações de serviços e coisas desse género", disse a deputada socialista, sublinhando que "a relevância" desta questão para o Estado "não pode ficar nas entrelinhas de um jornal".

Sobre as iniciativas que o PS poderá tomar em sede parlamentar a este respeito, Isabel Oneto explicou que os socialistas usarão "todas as prerrogativas" possíveis "para chamar o assunto de novo ao Parlamento", caso não sejam prestados os esclarecimentos que considera suficientes.

"O PS foi muito comedido relativamente às audições que aqui ocorreram, procurámos que a situação fosse esclarecida com alguma serenidade, mas impõe-se agora uma resposta muto imediata relativamente a esta matéria.

Outras Notícias