Política

PSD com liberdade de voto sobre co-adoção e adoção por casais do mesmo sexo

PSD com liberdade de voto sobre co-adoção e adoção por casais do mesmo sexo

Os deputados do PSD vão ter liberdade de voto em relação aos diplomas que alargam aos casais do mesmo sexo os direitos de co-adoção e de adoção de crianças, anunciou esta quinta-feira o líder parlamentar social-democrata.

No entanto, de acordo com Luís Montenegro, "o sentido maioritário, quer da direção do grupo parlamentar, quer do grupo parlamentar" é de rejeição dos projetos do PS, BE e PEV, que vão ser debatidos e votados na sexta-feira, e que esta quinta-feira foram o tema principal da reunião da bancada social-democrata.

"Há uma posição maioritária na bancada contra, mas vários deputados manifestaram-se a favor dos projetos", disse, por sua vez, à agência Lusa a vice-presidente do grupo parlamentar social-democrata Teresa Leal Coelho, adiantando: "Eu sou a favor dos três diplomas. Penso que é uma evolução que é preciso fazer na sociedade portuguesa".

A decisão de dar liberdade de voto em relação à co-adoção e à adoção por casais de pessoas do mesmo sexo foi anunciada por Luís Montenegro no final da reunião da bancada social-democrata.

"Decidimos dar liberdade de voto, o que aliás é costume no grupo parlamentar do PSD nestas matérias, que entendemos serem matérias que dizem muito respeito à consciência de cada um dos deputados", justificou.

Na sexta-feira, vão estar em debate na Assembleia da República quatro projetos de lei: um do PS que consagra a possibilidade de co-adoção pelo cônjuge ou unido de facto do mesmo sexo, um do PEV que alarga as famílias com capacidade de adoção, e dois do BE, um relativo à procriação medicamente assistida, à adoção e ao apadrinhamento civil por casais do mesmo sexo e outro que elimina a impossibilidade legal de adoção por casais do mesmo sexo.

Outras Notícias