Política

Rui Rio diz que cortes grandes e imediatos podem "desestruturar" sociedade

Rui Rio diz que cortes grandes e imediatos podem "desestruturar" sociedade

O presidente da Câmara do Porto, Rui Rio, alertou, esta quarta-feira, que diminuir a despesa pública "é um exercício dificílimo" que requer "bom senso", sublinhando que cortes grandes e imediatos poderão "desestruturar" a sociedade portuguesa e fazer "cair tudo".

"Quando temos a despesa pública numa dimensão gigantesca há muitos anos é evidente que temos a sociedade estruturada de uma forma errada e, portanto, nem que queira, não posso resolver o problema no imediato, porque se resolvo o problema no imediato e começo a cortar tudo aquilo que em tese devia ser cortado, eu desestruturo tudo, cai tudo", disse o antigo secretário-geral do PSD, durante uma conferência do International Club of Portugal, afirmando que é isso que conclui também da sua "experiência de observação daquilo que o Governo tem feito".

Para o autarca do Porto, a solução é "criteriosamente escolher a despesa que tem menor efeito multiplicador".

"É um exercício dificílimo, requer muita experiência e muito bom senso. É escolher aquela [despesa] onde podemos cortar com menor efeito multiplicador, onde os danos são menores. Porque se o aumento de impostos pode ter efeito sobre o andamento da economia, o corte na despesa pública imediato também tem efeitos muito parecidos. Temos de ter esse cuidado", acrescentou.