Política

Seguro desafia Passos a assumir responsabilidades pelo "falhanço" da austeridade

Seguro desafia Passos a assumir responsabilidades pelo "falhanço" da austeridade

O secretário-geral do PS, António José Seguro, desafiou este domingo o primeiro-ministro a assumir as suas responsabilidades pelo "falhanço" da política de austeridade dos últimos dois anos, seguindo o exemplo do ex-ministro das Finanças e do FMI.

"Não basta virem o ex-ministro das Finanças e a diretora do FMI [Fundo Monetário Internacional] tirar essas consequências, é necessário que também o primeiro-ministro [Pedro Passos Coelho] assuma as suas responsabilidades", afirmou Seguro.

Falando em Cabeceiras de Basto, durante a apresentação do candidato socialista à Câmara local, António José Seguro lembrou que hoje mesmo a diretora-geral do FMI "veio reconhecer erros" no processo de ajustamento de alguns países, entre os quais poderá estar o de Portugal.

"Há uma semana, um dos principais mentores e executores dessa política de austeridade, Vítor Gaspar, veio dizer: 'falhámos, já não temos credibilidade nem a confiança necessárias para continuar'", acentuou.

Para Seguro, este "retirar de responsabilidades" tem de ser extensivo ao chefe do Governo, Pedro Passos Coelho.

O líder socialista reafirmou que, para dar a volta à crise, Portugal precisa de um Governo "coeso, competente e confiável".

"Veem alguma destas três coisas? Alguém pode confiar [no atual Governo]?", questionou, aludindo às promessas eleitorais não cumpridas e ao anúncio de demissão de Paulo Portas, cuja saída do executivo acabou por não se concretizar.

PUB

Na sua intervenção, Seguro prometeu ainda que, se for primeiro-ministro, reverá a lei da reorganização administrativa.

A diretora-geral do FMI, Christine Lagarde, admitiu hoje terem sido cometidos erros pelo organismo na avaliação sobre a situação de alguns países.

O candidato do PS à Câmara de Cabeceiras de Basto é China Pereira, já que o atual presidente, Joaquim Barreto, não se pode recandidatar, por causa da lei de limitação de mandatos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG