Política

Seguro diz que mais austeridade é "inimaginável"

Seguro diz que mais austeridade é "inimaginável"

O líder do PS considerou esta quinta-feira "inimaginável" que o Governo apresente mais medidas de austeridade em Portugal, afirmando que muitos portugueses "já ultrapassaram o limite das suas possibilidades" e que isso seria "um falhanço rotundo" das políticas seguidas.

Numa entrevista à RTP, António José Seguro rejeitou sempre responder directamente sobre o que faria se o Governo apresentar novas medidas de austeridade, reiterando que não consegue "imaginar" esse cenário.

"Mais medidas de austeridade? Desculpe, mais medidas de austeridade? Eu não consigo imaginar mais medidas de austeridade para impor aos portugueses, estamos no limite e há portugueses que já ultrapassaram o limite das suas possibilidades, é inimaginável", afirmou.

Na entrevista, Seguro reforçou a ideia dizendo não conseguir "visualizar mais medidas de austeridade" e que isso significaria "um falhanço da política do Governo".

"Desculpe, se isso acontecer em primeiro lugar isso significa um falhanço rotundo da política do Governo, um Governo tem de assumir as suas responsabilidades", disse Seguro, notando que "o Governo apresentou o Orçamento do Estado" e dispõe "de uma maioria absoluta" e é "responsável pela execução desse Orçamento".

Seguro, que disse não ter "razão nenhuma para desconfiar" da meta de 2013 apontada pelo Governo para regressar aos mercados, salientou que a única coisa que o "une ao Governo é o objetivo da consolidação das contas públicas".

"O PS é defensor de rigor e disciplina orçamental, temos é caminhos diferentes", declarou, referindo que ao invés de "mais austeridade", os socialistas defendem um consolidação das contas públicas "tendo como prioridade o crescimento e emprego".

PUB

Na entrevista, Segurou reforçou que, no plano europeu, espera "mais governação económica", um papel "mais ativo do BCE", a emissão de euro obrigações e programas de apoio ao emprego jovem e acusou Passos de ser "um primeiro-ministro de braços caídos, que passa a vida no seu gabinete em São Bento".

"Eu ainda hoje falei com o presidente do Parlamento Europeu ao telefone, ainda hoje falei com o novo líder do PSOE ao telefone, Alfredo Rubalcaba, ainda ontem escrevi cartas a líderes europeus. Com o propósito de quê? De rapidamente os líderes socialistas, porque é aí a minha área de intervenção, se poderem reunir para formularmos e trabalharmos a apresentação de políticas alternativas a nível europeu", adiantou.

Sobre as privatizações anunciadas, Seguro disse discordar dessa opção nas Águas de Portugal, na RTP e também nos seguros da Caixa Geral de Depósitos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG