PS

Seguro diz que Portugal precisa de mais um ano para cumprir metas

Seguro diz que Portugal precisa de mais um ano para cumprir metas

O secretário-geral do PS defendeu, em entrevista à agência Reuters, que Portugal precisará de mais um ano para atingir as metas orçamentais estabelecidas pela `troika" e que o país tem condições para se manter na zona euro caso a Grécia saia.

Em entrevista à agência Reuters, publicada esta sexta-feira, António José Seguro sustentou que o país está a seguir uma política de "austeridade a qualquer preço" e que precisará de pelo menos mais um ano para cumprir as metas orçamentais definidas no âmbito da ajuda externa concedida a Portugal.

"Tenho defendido que Portugal precisa de pelo menos mais um ano para levar a cabo uma consolidação das contas públicas saudável e inteligente", afirmou o líder do PS, considerando "evidente que Portugal não pode suportar mais medidas" de austeridade, nem as famílias nem as empresas.

O líder socialista disse que, segundo as informações de que dispõe, Portugal têm todas as condições para se manter na zona euro caso a Grécia - para a qual defendeu uma solução global - abandone a moeda comum.

A nível interno, António José Seguro disse não ter dúvidas de que a estabilidade política se vai manter e que não espera que o atual governo PSD/CDS-PP não cumpra o mandato.

Se fosse primeiro-ministro, afirmou, teria adotado igualmente medidas de austeridade "mas não com a força" com que têm sido aplicadas em Portugal. "A política tem que mudar para dar prioridade ao emprego e ao crescimento, conciliando com a disciplina orçamental", defendeu.

António José Seguro sublinhou que o PS não tenteria renegociar o empréstimo, afirmando que o seu partido "honrará todos os compromissos que estão previstos no memorando" da `troika".

PUB

Para o secretário-geral do PS, a Europa deve adotar com urgência medidas para ajudar as economias mais frágeis, através da criação de `eurobonds" e da mudança dos estatutos do Banco Central Europeu para permitir empréstimos diretos a países em dificuldades.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG