Política

Seguro insiste na demissão do Governo

Seguro insiste na demissão do Governo

O secretário-geral do PS recusou, esta sexta-feira, que uma eventual remodelação do Governo resolva problemas no país e insistiu que a solução é a demissão de um executivo que disse não ter "ponta por onde se pegue".

António José Seguro falava aos jornalistas no final do debate quinzenal, na Assembleia da República, durante o qual questionou o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, sobre as consequências de "instabilidade" e para a imagem externa do país resultantes da demissão do ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares, Miguel Relvas.

"O PS apresentou uma moção de censura ao Governo porque considera que há um impasse político no país. Há uma crise social, uma crise económica e o Governo transformou-se num obstáculo para a saída dessa crise. Só há uma solução: O Governo cair, o Governo demitir-se e haver eleições em Portugal", disse.

Interrogado se ficou satisfeito com as justificações apresentadas pelo primeiro-ministro, durante o debate quinzenal, sobre os motivos que levaram Miguel Relvas a sair do Governo, Seguro afirmou que essa demissão demonstra como o atual executivo "está completamente fragmentado e fragilizado".

"Num momento em que o país precisa de esperança, de coesão e de ter um Governo com energia e com capacidade de mobilização dos portugueses, assim como uma capacidade forte de negociação com os parceiros europeus de Portugal, assiste-se a um triste espetáculo de haver ministros a demitirem-se sem substituto e de secretários de Estado que se demitem mas que estão a prazo no Governo. Isto não tem ponta por onde se pegue".

Confrontado com a possibilidade de o executivo PSD/CDS ganhar um novo impulso na sequência de uma remodelação, Seguro contrapôs: "Quem defende a demissão do Governo não considera que qualquer quer remodelação resolva o problema".