Política

Seguro insiste que Passos tem de especificar cortes definitivos nas pensões

Seguro insiste que Passos tem de especificar cortes definitivos nas pensões

O secretário-geral do PS insistiu, esta quinta-feira, na exigência que o primeiro-ministro esclareça quais os cortes nas pensões que são temporários e quais os definitivos e acusou o Governo de transformar a vida dos idosos "num inferno".

António José Seguro falava aos jornalistas após ter participado num encontro que durou cerca de uma hora com idosos da Casa de São Pedro, em Alverca.

"Há cerca de 15 dias o primeiro-ministro disse que havia cortes nas pensões que eram para continuar e outros provisórios, mas não explicou quais os que são definitivos e quais os que são provisórios. Os idosos não podem viver nesta situação de cada vez maior empobrecimento e sobretudo de incerteza", afirmou o líder socialista.

Nas declarações que fez aos jornalistas, o líder socialista acusou o Governo "de ter transformado a vida dos reformados num inferno" e referiu-se ao teor de algumas conversas que teve com pensionistas da Casa de São Pedro.

"Há pessoas que vivem com pensões muito baixas, outros a quem foi retirada a isenção de taxas moderadoras ou de redução no preço dos medicamentos. São pessoas que vivem com angústia porque têm menos rendimentos", apontou Seguro.

O secretário-geral do PS referiu também que falou com idosos que se encontravam em regime de internamento no lar, mas que, em consequência do corte nas suas pensões, são agora forçados a ir para as suas casas à noite.

"Essas pessoas muitas vezes ficam sozinhas de noite, sem qualquer tipo de apoio, tendo apenas o telefone para uma emergência", salientou ainda o secretário-geral do PS, antes de aludir a uma situação de "inversão civilizacional" em Portugal.

"Na nossa civilização o que faz sentido é os pais cuidarem dos filhos e que depois sejam os filhos a cuidar quando os pais atingem uma idade avançada. Mas, como muitos dos filhos estão desempregados em situação de dificuldade, são os pais com 70 e 80 anos que ainda tiram da sua magra reforma para ajudar os filhos. Esta é uma situação trágica", considerou.

Na vista à Casa de São Pedro, em Alverca, o secretário-geral do PS esteve sempre acompanhado pelo dirigente socialista António Galamba e pela ex-presidente da Câmara de Vila Franca de Xira Maria da Luz Rosinha.

Nas conversas com reformados, a ex-autarca de Vila Franca de Xira defendeu que muitos idosos com muito baixas pensões têm cada vez maior dificuldade de acesso ao complemento solidário para idosos.

"A carga burocrática é pesadíssima e muitos idosos desistem de se candidatar à prestação. Em muitos casos a informação nem sequer chega aos idosos", sustentou a líder do PS em Vila Franca de Xira.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG