Política

Seguro quer políticos e não técnicos na próxima avaliação da troika

Seguro quer políticos e não técnicos na próxima avaliação da troika

O secretário-geral do PS, António José Seguro, defendeu que na próxima avaliação do programa de assistência financeira português a troika se faça representar por "responsáveis políticos" e não "técnicos".

Em Braga, onde participou na apresentação do candidato socialista à Câmara Municipal local, Seguro admitiu não existir uma "fórmula mágica" para ultrapassar a crise, mas assegurou ter uma "alternativa" à política de "desastre" do Governo.

"Era muito importante que a troika, quando viesse a Portugal no final deste mês, viesse representada ao nível de direção política e não ao nível de técnicos", disse.

Na ocasião, o dirigente socialista acrescentou: "Não há nenhuma fórmula mágica mas há uma alternativa política aquilo que tem sido uma política de desastre (...) o primeiro-ministro não tem soluções para o país".

António José Seguro afirmou ser "fundamental" uma "mudança" no processo de ajustamento económico em curso apelando a que o país "junte as vozes" nesse sentido. O secretário-geral do PS apontou ainda o desemprego como o "principal problema do país".

Para António José Seguro é necessária uma "voz firme para dizer à troika" que Portugal quer "cumprir mas que precisa de condições".

Seguro apontou como caminho "aproveitar" a próxima avaliação da troika para "alterar a nossa trajetória de consolidação das contas públicas".

António José Seguro voltou a afirmar que o "memorando está completamente desajustado daquilo que é a realidade" de Portugal sendo, por isso, "prioridade" que a avaliação a Portugal não seja feita em função do cumprimento ou não do acordo de ajustamento.

"Neste momento é fundamental que o país junte as vozes e seja determinado na defesa dessa mudança do processo de ajustamento".

Na semana em que se divulgou o número de desempregados em Portugal, 923 mil, o líder do PS alertou para a "grande urgência nacional" que é a "necessidade de responder ao flagelo que é o desemprego" considerando que este é o "principal problema do país" e que Portugal está à "beira de uma tragédia social".

Segundo o líder socialista, é preciso "alterar o rumo da consolidação orçamental" e dar "prioridade ao crescimento económico e ao emprego" porque, alertou, "tocaram todos os sinais de alarme".

A alternativa passa, apontou Seguro por "uma estratégia credível" para Portugal. "Isso significa mais tempo para consolidação das contas públicas, mais tempo para pagar a dívida, significa o adiamento por um período razoável do pagamento de juros, de modo a criar condições e um ambiente amigo do crescimento económico e do emprego", explanou.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG