segurança

Artur Baptista da Silva começou na Academia do Bacalhau

Artur Baptista da Silva começou na Academia do Bacalhau

A Academia do Bacalhau terá sido uma das primeiras "vítimas" de Artur Baptista da Silva, que se fez passar por consultor da ONU e deu entrevistas a vários órgãos de comunicação social, antes de ser denunciado como impostor.

O primeiro contacto surgiu em fevereiro, quando Artur Baptista da Silva, apresentando-se como "professor universitário da U.T.L. de Economia Social e 'senior fellow' da Milton Wisconsin University" mostrou interesse em ser admitido como membro da Academia do Bacalhau de Lisboa.

No correio eletrónico enviado nessa altura à Academia do Bacalhau, Artur Baptista da Silva destacava que o seu interesse tinha surgido "tendo em conta as elogiosas referências" que "o convívio social e fraterno" desta organização lhe tinha "merecido das mais diversas personalidades".

A proposta não suscitou desconfianças, contou à Lusa o presidente da Academia do Bacalhau de Lisboa, Mário Nunes.

Foi num dos jantares desta tertúlia, que conta com 54 academias em todo o mundo, que Artur Baptista da Silva conheceu o presidente do International Club de Portugal, Manuel Ramalho, a quem se apresentou como especialista do Banco Mundial e da ONU e a quem propôs posteriormente participar como orador num dos debates organizados pela instituição.

Entretanto, começou a promover a sua rede de contactos na Academia:

"Começou a frequentar os nossos almoços e, às tantas, propôs-se fazer uma apresentação do trabalho que tinha em mão e que tinha sido premiado com o Feelings Award da UNESCO", declarou Mário Nunes.

O prémio teria sido supostamente recebido em Nova Iorque, no dia 30 de abril, mas uma busca na Internet não devolve quaisquer resultados.

A Lusa não conseguiu ainda confirmar com a UNESCO a veracidade do prémio.

Já o trabalho, intitulado "Growth, Inequality and Poverty. Looking Beyond Averages" vinha assinado por Artur Baptista da Silva, PhD in Social Economics (Doutorado em Economia Social) e U. N. Coordinator Advisor (consultor da ONU), mas é na realidade da autoria de Martin Ravallion, do departamento de investigação do Banco Mundial.

Artur Baptista da Silva contactou pela última vez Mário Nunes no dia 15 de dezembro.

"Se puder leia a página 12 do suplemento de Economia do Expresso de hoje", dizia num SMS dirigido ao presidente da Academia do Bacalhau.

Nesse dia o "Expresso" publicava uma entrevista ao pretenso economista, que foi inclusivamente citada pela Reuters.

O impacto mediático de Artur Baptista da Silva multiplicou-se com entrevistas à TSF, à SIC e aos jornais, até surgirem suspeitas sobre os cargos que alegadamente desempenhava.

O suposto economista queixa-se agora de ser vítima de um "linchamento de caráter", mas nunca mais atendeu o telemóvel, nem se mostrou disponível para ser entrevistado pela rádio ou pela televisão.

O International Club de Portugal é uma das instituições que já admitiu recorrer aos tribunais caso se comprove a fraude e a Procuradoria-Geral da República já anunciou que está a investigar o caso.

Outras Notícias