Vale e Azevedo

Britânicos tentam bloquear cargos de administração a Vale e Azevedo

Britânicos tentam bloquear cargos de administração a Vale e Azevedo

João Vale e Azevedo é objeto de um processo das autoridades britânicas para ser impedido de assumir cargos de administrador em empresas britânicas devido a ação fraudulenta.

Um porta-voz do Serviço de Insolvências, organismo pertencente ao Ministério da Economia, confirmou à agência Lusa que o caso está em curso no Tribunal Superior [High Court].

O processo é uma consequência da falência declarada a 22 de abril de 2009 da empresa de que era presidente, a V&A Capital Limited.

Foi iniciado a 14 de abril do ano passado mas, segundo a mesma fonte, foi adiado e a próxima audiência marcada para 14 de novembro.

A V&A Capital está em liquidação judiciária há três anos, forçada por uma petição de credores reclamando dívidas superiores a quatro milhões de euros.

Em novembro, o Tribunal Superior de Londres determinou o arresto de bens, nomeadamente mobílias, artigos de uso doméstico e obras de arte, armazenados em nome da empresa.

Todavia, o valor está longe de cobrir as dívidas, admitiu na altura um representante da Finurba Corporate Finance, companhia que liderou a ação judicial.

PUB

A V&A Capital descrevia-se como uma sociedade de investimento de capitais privados com interesses na indústria do açúcar, adoçantes de cereais e amidos, e em especial na produção e comercialização do etanol como uma nova fonte de energia não-poluente que é misturada com gasolina e usada como combustível.

No relatório de contas de 2006 submetido ao registo comercial britânico registava um volume de negócios de 19,6 milhões de libras (23,3 milhões de euros) e um lucro operacional de 3,3 milhões de libras (4 milhões de euros).

Reivindicava também a maioria do capital da Companhia Portuguesa dos Amidos (COPAM), que "produz e comercializa produtos amialáceos".

Porém, esta versão foi negada à Lusa pelo administrador José Carmona e Costa em 2008, que afirmou que "nem o Dr. Vale e Azevedo nem nenhuma das suas empresas tem 55 por cento da COPAM".

Este é o mais recente processo judicial que envolve o ex-presidente do Benfica nos tribunais britânicos, onde continua a lutar contra um pedido de extradição para Portugal que hoje deverá ser decidido no primeira instância em Londres.

A 05 de fevereiro de 2009, João Vale e Azevedo e a mulher, Filipa Azevedo, foram também considerados pessoalmente insolventes por não terem pago uma dívida superior a um milhão de euros a uma construtora com a qual assinaram o contrato para a compra de uma habitação em Londres no valor de 6,3 milhões de libras (7,5 milhões de euros).

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG