Polícia

Conselho de Arbitragem repudia agressão ao árbitro Pedro Proença

Conselho de Arbitragem repudia agressão ao árbitro Pedro Proença

O presidente do Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol repudiou, esta terça-feira, a agressão ao árbitro Pedro Proença. Carlos Esteves defendeu também o afastamento de "todos os vândalos" das claques e dos estádios.

"Repudio inteiramente esta agressão. Não podia haver pessoas ligadas a claques e a clubes a fazerem coisas destas. É mau para o desporto em geral e para o futebol em particular. Estes vândalos devem ser inibidos de ir ao futebol", referiu Carlos Esteves.

Pedro Proença, considerado o melhor árbitro da época passada, foi agredido na noite de segunda-feira com uma cabeçada, no centro comercial Colombo, em Lisboa, quando se preparava para jantar, depois de terminar o treino no ginásio, tendo sofrido ferimentos na boca e partido dois dentes.

Para Carlos Esteves, "os clubes devem afastar essas pessoas e impedi-las de irem ao futebol". O presidente do Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) defendeu ainda que "nos dias do jogo, deviam ser obrigadas a apresentar-se nas esquadras da polícia. Desporto não é isto, isto é vandalismo", concluiu.

Devido aos ferimentos sofridos, Pedro Proença, que domingo dirigiu o encontro da Supertaça, entre o F.C. Porto e o Vitória de Guimarães, não poderá arbitrar na primeira jornada da Liga no próximo fim-de-semana, nem os "playoffs" da Liga Europa ou da Liga dos Campeões.

Segundo a PSP, que elaborou o auto de notícia, o incidente ocorreu às 21.00 horas e o agressor foi identificado.