segurança

Chefe da PSP suicida-se dentro da esquadra

Chefe da PSP suicida-se dentro da esquadra

O adjunto do comandante da esquadra de trânsito da PSP de Lamego surpreendeu, esta sexta-feira, todos os colegas, ao disparar um tiro na própria cabeça, na casa de banho do edifício policial.

Pouco antes das 15 horas, Francisco Sabença Almeida, de 48 anos, acabara de combinar serviço com o comandante de Divisão. "Saiu do gabinete, puxou por um cigarro e foi à casa de banho, onde disparou a arma de serviço de 7.65 mm.", relatou ao JN o comandante distrital da PSP de Viseu, intendente Vítor Rodrigues, surpreendido com o sucedido. "Era um dos melhores chefes que tínhamos em Lamego", classificou.

A vítima ainda estava viva quando foi transportada para o hospital de Vila Real, onde faleceu pouco antes das 20 horas.

O chefe, natural de Resende, que se divorciara, há cerca de três anos, com uma filha de 16 anos e um filho de 23, universitário no Porto, vinha demonstrando preocupações financeiras.

"Desabafava com os colegas que tinha comprado casa e temia mais cortes nos vencimentos", relatou o comandante.

Durante a manhã decorreu uma inspeção de rotina da Direção Nacional da PSP. "Os inspetores já tinham saído e não foi detetada qualquer irregularidade ou ilegalidade", assegurou Vítor Rodrigues.

Perante este caso, Paulo Rodrigues, presidente da Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP/PSP) reclama "mais sensibilidade" por parte do Governo que, "faz cortes nos vencimentos, sem ter em conta a realidade das forças policiais", acusa. "Há um grande clima de stresse na PSP porque os agentes estão inseguros e como são polícias sentem uma pressão, só pelo facto de recearem não conseguir pagar os empréstimos. É que de um polícia todos esperam que seja cumpridor", argumenta o dirigente.