GNR

Comandante da GNR afasta dirigente que se queixou dele

Comandante da GNR afasta dirigente que se queixou dele

O comandante-geral da GNR mandou exonerar de funções o vice-presidente da Associação Sócio-Profissional Independente da Guarda. Newton Parreira não terá gostado de ler, no JN, notícias sobre uma queixa disciplinar apresentada contra si pelo dirigente associativo e ordenou que Medina da Silva fosse demitido da chefia dos recursos humanos e justiça no Comando Territorial de Leiria e transferido para Lisboa, passando a trabalhar a cerca de 200 quilómetros de casa e da família.

O diferendo entre o tenente-general Newton Parreira e o tenente-coronel Medina da Silva começou quando este prestou declarações, em fevereiro, no Tribunal de Porto de Mós, como testemunha de um guarda que acabou condenado a um ano de cadeia por ter disparado mortalmente contra um ladrão de cobre, durante uma perseguição. Um jornal reproduziu parte do testemunho do dirigente associativo, que criticou a falta de treino de tiro na GNR. Resultado: Medina da Silva foi alvo de inquérito interno, ainda em curso.

Em abril, instado pelo JN a pronunciar-se, na sua qualidade de "vice" da Associação Sócio-Profissional Independente da Guarda (ASPIG), sobre a indignação de alguns coronéis da GNR face à não promoção à patente de major-general, as declarações de Medina da Silva irritaram a tal ponto Newton Parreira, que este ordenou um "processo disciplinar adequado" contra o dirigente associativo. O mesmo já não fez, todavia, em relação a outros militares citados na mesma notícia do JN.

Sentindo-se "injustiçado" e "perseguido", o "vice" da ASPIG apresentou queixa disciplinar ao ministro da Administração Interna, a semana passada, contra o comandante-geral da GNR. Ontem, veio a reação de Newton Parreira, num despacho que exonera e transfere Medina da Silva.

Ao JN, fonte oficial do Comando- Geral da GNR negou que esteja em causa algum tipo de vingança ou represália ao dirigente associativo. A mesma fonte rejeita que esta decisão seja sinónimo de que o líder da Guarda convive mal com a crítica e persegue os militares não "alinhados" com as suas ideias.

Fonte associativa ouvida pelo JN contesta. "Só um cego não vê que o vice-presidente da ASPIG está a pagar a fatura de dizer o que pensa, sempre na defesa dos militares. Alguns não gostam de ouvir as verdades e usam o poder para se vingarem. Vigora o crime de delito de opinião", diz.

No despacho, Newton Parreira justifica a exoneração do seu crítico no facto de ter perdido a confiança em Medina da Silva.

O líder da GNR diz que os comportamentos do "vice" da ASPIG "afetam a coesão" militar. "A manutenção da sua permanência em unidade territorial e no exercício de funções de estadomaior acarreta prejuízo para a imagem da Guarda e para o cumprimento da missão", escreve Newton Parreira no seu despacho.

Imobusiness