segurança

Empreitadas à medida põem ex-diretor da Administração Interna na prisão

Empreitadas à medida põem ex-diretor da Administração Interna na prisão

O ex-diretor-geral de Insfraestruturas e Equipamentos do Ministério da Administração Interna (MAI) vai ficar em prisão preventiva. João Correia é suspeito de ter recebido "luvas" de empreiteiros.

Exonerado em fevereiro passado, após três anos à frente do departamento que coordena e executa as obras nos edifícios destinados à PSP, GNR, SEF e antigos governos civis, foi ontem interrogado no Tribunal Central de Instrução Criminal pelo juiz Carlos Alexandre, que lhe aplicou a medida de coação mais grave. A investigação reuniu fortes indícios de crimes de corrupção passiva para ato ilícito e participação económica em negócio.

As suspeitas que levaram a Unidade de Combate à Corrupção da PJ a deter João Alberto Correia, de 48 anos, vieram inicialmente a lume numa auditoria da Inspeção-Geral da Administração Interna sobre o período que abrangeu as funções do dirigente nomeado em março de 2011 por José Sócrates e pelo ex-ministro da Administração Interna Rui Pereira. João Correia é também conhecido por ser filho de Rosado Correia, antigo ministro, também arquiteto e mação.